Províncias

Obras na estrada terminam no próximo ano

Vladimir Prata| Namibe

As obras de reabilitação da estrada das Pipas, na zona do rio Giraúl de Baixo, província do Namibe, estão executadas em cerca de 50 por cento, com previsão de finalização dentro de um ano.

Empresa construtora desenvolve esforços para cumprir os prazos acordados com o Governo Provincial do Namibe
Fotografia: Afonso Costa| Namibe

O representante da empreiteira disse que a via serve de alternativa para interligar o Namibe às províncias da Huíla e Benguela.
O engenheiro civil Alexandre Baptista disse que a conclusão da obra vai permitir descongestionar o tráfego no troço mais utilizado pelos automobilistas, no Giraúl de Cima, onde a ponte sobre o rio desabou, devida às cheias de Março do ano antepassado.
Com uma extensão de 42,5 quilómetros, a empreitada que está a ser fiscalizada pelo Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) foi dividida em três troços. O primeiro começa no entroncamento entre o Sacomar e a Baía das Pipas, com cerca de 17 quilómetros.
O troço número dois, também com 17 quilómetros já pavimentados, faz a ligação com a Estrada Nacional 100, que liga Bentiaba à Lucira, enquanto o terceiro é o mais curto, com quase oito quilómetros terraplenados parcialmente, facilitando o acesso à Baía das Pipas.
As obras, que tiveram início, em Maio de 2011, estão orçadas em cerca de 329 mil milhões de kwanzas, mas, até agora, foram pagos apenas 28 por cento do valor total.
O engenheiro Alexandre Baptista referiu que o orçamento inicial pode vir a sofrer alterações, em função de algumas soluções pendentes, que vêm sendo identificadas ao longo dos trabalhos, como a mudança de alguns traçados com curvas perigosas, elevação da plataforma em zonas afectadas por enchentes e definição dos respectivos entroncamentos. Há ainda a necessidade, disse, de fazer trabalhos de protecção das zonas de plantação, devido à subida de cota do rio Giraúl, bem como de construir uma passagem de nível sobre a linha férrea pertencente ao Caminho-de-Ferro de Moçâmedes. />No troço número três, poderá haver a necessidade da construção de uma ponte para interligar as zonas com desníveis acentuados.
Alexandre Baptista realçou a importância da conclusão dos trabalhos na referida via, como solução para a ligação das cidades do Namibe ao Lubango e Benguela e para o resto do país. Para além de ser uma via alternativa para os automobilistas, considerou o troço de grande importância, particularmente para a cidade do Lubango, que depende do combustível que sai do Namibe.
O projecto de construção da nova ponte sobre o Giraúl de Cima, numa extensão de 600 metros, está incluído no Plano de Desenvolvimento Económico e Social da província do Namibe para o quinquénio 2013-2017, está avaliado em 5,7 mil milhões de kwanzas.

Desassoreamento do rio

A Sociedade de Empreendimentos e Obras Públicas (SEOP) procedeu igualmente a trabalhos de desassoreamento do rio Giraúl de Baixo, a fim de proteger a ponte localizada na estrada das Pipas.
A zona encontrava-se degradada, devido às fortes chuvas, ocorridas em Março de 2011, e que destruíram, em grande medida, a ponte sobre o Giraúl de Cima.
Os trabalhos realizados no primeiro semestre de 2012 permitiram garantir minimamente que a cidade não fique isolada do resto do país, em caso de novas cheias, de acordo com o engenheiro civil Alexandre Baptista.
O prazo de execução dos serviços de emergência foi de 90 dias, e o plano de trabalho efectivo envolveu o desassoreamento e construção de vários diques de protecção, com uma altura média de três metros, com o objectivo de conter o avanço das águas e desviá-las para o leito antigo.

Tempo

Multimédia