Províncias

Obras sociais dão nova vida a Munhandi

Manuel de Sousa| Munhandi

A população da povoação da Munhandi, município do Camucuio, província do Namibe, tem desde ontem um novo posto médico, uma escola de seis salas, residências para professores, jango comunitário e dez casas evolutivas.

Autoridades continuam a envidar esforços para garantir a melhoria da circulação naquela localidade da província do Namibe
Fotografia: Jornal de Angola

A população da povoação da Munhandi, município do Camucuio, província do Namibe, tem desde ontem um novo posto médico, uma escola de seis salas, residências para professores, jango comunitário e dez casas evolutivas.
Os novos equipamentos sociais foram inauguradas na sexta-feira pelo vice-governador para a área técnica e infra-estruturas, António Correio, no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza.
O posto médico agora inaugurado comporta duas enfermarias, consultório, cadeia de frio, farmácia, sala de partos e tem capacidade para atender 800 pacientes por dia.
O enfermeiro-chefe do referido posto médico, Vamba Mulenga, salientou que, antes, muitos doentes eram assistidos fora da instituição e sem quaisquer condições para um bom atendimento.
Agora, a falta de uma ambulância é apontada pelo enfermeiro como a grande preocupação do posto, visto que muitas vezes são obrigados a transportar de motorizada pacientes, com todos os riscos que isso implica.

Maior número de salas


No quadro da inauguração de uma escola de seis salas, o responsável do sector da Educação da localidade, João Watota, afirmou que a povoação contava apenas com uma sala.
Por essa razão, muitos alunos tinham de estudar debaixo das árvores e em outros locais improvisados, situação que acaba, com a inauguração da escola. Actualmente, as crianças vão ter mais condições para assimilarem os conhecimentos transmitidos pelos professores. O sector da Educação no Munhandi tem apenas três professores, número insuficiente para trabalhar com 590 alunos.
Embora não tenha avançado números, João Watota disse que a povoação do Munhandi ainda tem, mesmo assim, alunos fora do sistema de ensino, devido à falta de professores.
O administrador municipal do Camucuio, João Casimiro, assegurou que a questão da colocação de mais docentes nas zonas onde eles estão em falta depende da direcção provincial da Educação.
O concurso público relativo a 2012 já foi realizado, mas o município beneficiou apenas de oito professores.
A localidade de Munhandi, nome de uma árvore predominante na povoação, tem uma população de mais de 700 pessoas, cuja principal actividade é a criação de gado e agricultura de subsistência.
 
Troço Cassimbas/Camucuio


O troço rodoviário que liga a povoação das Cassimbas e a sede do município do Camucuio, no Namibe, foi aberto ontem à circulação, numa cerimónia presidida pelo vice-governador para a área técnica e infra-estruturas.
O troço, inaugurado por António Correia, no âmbito da melhoria dos serviços públicos, tem 45 quilómetros de estrada totalmente reabilitados. Antes, a população levava mais de quatro horas entre as duas localidades, devido ao péssimo estado da estrada. Hoje, são necessários apenas 40 minutos para percorrer a via.O soba da povoação das Cassimbas, Kawaia Tchitama, disse que a população local está bastante satisfeita com os trabalhos realizados, com vista à melhoria da estrada, através de obras de terraplenagem, o que está a facilitar as trocas comerciais.
O soba mostrou-se preocupado com o comportamento dos motociclistas que fazem mau uso da via, chegando a provocar acidentes.
O administrador municipal do Camucuio, João Casimiro, chamou igualmente a atenção dos condutores de motociclos, quanto ao uso saudável da via, para se evitar situações desagradáveis.
Disse que esta situação tem merecido um tratamento especial para que se registe uma baixa de casos de acidentes a nível das estradas da municipalidade, através de apelos para o uso do capacete e o respeito dos limites de velocidade.
Os habitantes da localidade de Cassimbas tem como principal actividade a agropecuária.

Tempo

Multimédia