Províncias

Polícia está em prontidão para assegurar as eleições

Vladimir Prata|

O delegado provincial do Ministério do Interior no Namibe, António Candela, disse ao Jornal de Angola que a Polícia está devidamente preparada e em prontidão para garantir a segurança na província durante o pleito eleitoral que decorre no país a 31 de Agosto.

António Candela assegura que está tudo a postos para que as eleições sejam um êxito
Fotografia: Afonso Costa

O delegado provincial do Ministério do Interior no Namibe, António Candela, disse ao Jornal de Angola que a Polícia está devidamente preparada e em prontidão para garantir a segurança na província durante o pleito eleitoral que decorre no país a 31 de Agosto.
Segundo o comissário, a Polícia vem trabalhando, de há um tempo a esta parte, na preparação dos seus efectivos com a realização de cursos de promotores, formação de instrutores e posteriormente com seminários sobre elaboração de planos de asseguramento.
António Candela realçou que a Comissão Provincial Eleitoral já disponibilizou o mapeamento provisório para o processo eleitoral no Namibe, através do qual a Polícia irá gizar toda a sua estratégia com vista a garantir tranquilidade durante os períodos pré e pós-eleitoral.
“Temos acima de 1.600 efectivos disponíveis para utilizar durante o processo eleitoral”, revelou o também comandante provincial da Polícia Nacional no Namibe.
O comissário garantiu que os meios disponíveis estão à altura de defender os interesses da pátria no que toca à segurança das populações e das instituições.
Apesar disso, acredita que o Comando-Geral da Polícia Nacional poderá eventualmente disponibilizar mais meios para a província.
“A postura da Polícia durante o pleito deverá ser aquela que está descrita na Lei: uma Polícia imparcial, que estará aí para garantir a ordem e a tranquilidade pública de todo cidadão eleitor, atender as requisições dos partidos políticos para o asseguramento das suas passeatas e outras acções”, assegurou.
António Candela recordou que a lei diz que aquele partido que não solicitar o seu asseguramento junto da Polícia Nacional será responsável por si próprio, referindo que espera que não aconteçam episódios que ponham em causa a tranquilidade pública nem a vida dos cidadãos.
“Porque se na ausência da Polícia estes actos acontecerem, de acordo com o artigo 66º, os responsáveis do partido político em causa respondem criminalmente”, explicou. O comandante garantiu ainda a total colaboração da Polícia com a Comissão Provincial Eleitoral, para que o processo decorra de forma exemplar e sem casos graves que possam pôr em causa as eleições.
António Candela disse também que visitou recentemente os postos fronteiriços ao longo da província do Namibe para avaliar o estado organizativo e operativo da fronteira com a vizinha República da Namíbia, e também para a realização de seminários de capacitação dos efectivos para o asseguramento do pleito eleitoral.
“Saímos todos satisfeitos pelo trabalho”, disse, referindo quer houve já um encontro com a Polícia de guarda fronteiriça da Namíbia para que haja colaboração num controlo mais eficaz ao longo da fronteira comum entre os dois países, a fim de evitar que a mesma seja violada durante as eleições. />
 Índices criminais reduzem na província

O comando provincial do Namibe da Polícia Nacional tem vindo a implementar, há cerca de um ano, planos concretos com vista a redução dos índices criminais na província, tendo resultado na diminuição dos mesmos numa ordem dos 50 por cento.  O comissário António Candela disse que há um ano eram registados uma média de 47 crimes por semana, e que actualmente os mesmos baixaram para uma média de 20 a 22 crimes semanais.
“Vamos continuar a trabalhar sobretudo para que nesta altura estes actos não belisquem o processo eleitoral em curso”, garantiu.
Os acidentes de viação, roubos, furtos e uso de drogas são os crimes que mais preocupam a Polícia na província do Namibe. António Candela disse que a maioria destes crimes acaba por ser esclarecida, se não na mesma semana, nos dias posteriores, e os elementos que os praticam são postos a contas com a justiça.
“Temos muito poucos casos que não são esclarecidos”, disse.
De igual modo, disse haver uma grande redução de roubos e furtos de gado na província, sendo que no último trimestre foram registados apenas 14 casos que, entretanto, resultaram na recuperação do gado e devolução do mesmo aos respectivos proprietários.
“O roubo de gado diminuiu bastante porque criamos protectores municipais de combate ao furto de gado que foram potenciados com meios”, disse, referindo que existe uma cooperação muito forte com as autoridades tradicionais e com os criadores de gado que acataram os conselhos dados pelas estruturas do comando provincial.
“Mas ainda constatamos muitas vezes o gado sem ser acompanhado ou a ser controlado por crianças. Tudo isso faz com que os elementos de má fé ainda consigam furtar algumas cabeças”, lamentou.

Namibe sem excessos de prisão preventiva

A província do Namibe não regista nesta altura qualquer caso de excesso de prisão preventiva nem de superlotação nos centros prisionais locais. A garantia foi dada pelo delegado provincial do Interior, António Candela. De acordo com o responsável, no último mês de Julho foi realizada uma reunião com todos os órgãos da província que intervêm na justiça e chegou-se à conclusão que a província não tem casos de excesso de prisão preventiva nem superlotação nas cadeias. “Namibe tem a vantagem de ter duas unidades prisionais, e uma pode servir naturalmente de socorro à outra”, disse, referindo que a delegação provincial da Justiça instalou uma nave no interior do estabelecimento dos serviços prisionais do município sede, o que permitiu retirar todos os reclusos que dormiam nos corredores. “Além de ter proporcionado melhores condições aos presos, permitiu diminuir o número de doenças no seio dos mesmos”, disse. António Candela destacou igualmente o trabalho feito pelo Ministério Público, que tudo tem feito para que os casos possam ir a tribunal tão logo as condições estejam criadas.

Tempo

Multimédia