Províncias

Ponte sobre o rio Giraúl de Cima em reposição

João Upale | Namibe

As obras de construção da nova ponte sobre o rio Giraúl de Cima, no Namibe, já começaram, depois do acto de consignação da empreitada entre representantes da Direcção Nacional de Infra-estrutura Rodoviárias e Obras de Engenharias, as empresas contratadas para a execução dos trabalhos e o Governo Provincial.

Vista parcial da cidade do Namibe onde estão em curso diversas acções sociais para melhorar a qualidade de vida da população
Fotografia: João Upale |

As obras de reposição da ponte, destruída pelas cheias de Março de 2011, estão a cargo da empresa SEOP-Sociedade de Empreendedorismo e Obras Públicas, e vão custar mais de quatro mil milhões de kwanzas.
Com fim previsto para Março de 2016, as obras envolvem um total de 150 trabalhadores nacionais e 40 expatriados.
Dados técnicos dão conta que o projecto contempla a extensão de 605,70 metros, uma secção transversal com largura de 11,30 metros, duas vias de 3,50 metros de largura cada e bermas com 0,50 metros. Além disso, a ponte vai dispor de passeios com uma largura total de 1,65 metros cada, acessos ao Namibe, com 240 metros, e ao Lubango, com 360 metros. A ponte vai contar com uma diferença de dois metros acima do nível máximo da última enchente, até à base da viga-travessa dos pilares.
Quanto à sua estrutura, a nova ponte vai ter 30 vãos com 20 metros cada, 29 alinhamentos de pilares, 19 viga-travessas, 58 pilares, cinco vigas longitudinais e 2.160 pré-lajes.
O projecto de construção da ponte salienta que vão ser aplicados sete mil metros cúbicos de betão, 950 toneladas de ferro de construção e 330 mil metros cúbicos em movimento de terras. Quanto à mão-de-obra e equipamentos, salienta-se que há um total de 130 empregos directos e zonas de obras e pré-fabrico.
Ao todo, vão ser utilizados na empreitada 82  equipamentos diversos em todas as frentes de produção, obra e fabrico.
Para além da construção da nova ponte, o representante da Direcção Nacional de Infra-estruturas Rodoviárias, Lucau Pedro, referiu que, para garantir a concretização do programa de alargamento da rede de equipamentos de impacto social e infra-estruturas, foram aprovados projectos prioritários e estruturantes, que vão ser executados pelo Ministério da Construção.
Dos projectos em curso constam ainda a reabilitação da Estrada Nacional 290, no troço entre Namibe e o entroncamento com a estrada número 100-Virei, numa extensão de 110 quilómetros, com início previsto para este mês e duração de 24 meses.
O valor global desta obra é de mais de oito mil milhões de kwanzas, com um pavimento de betão betuminoso. Para a sua execução, estão contratados 200 empregados nacionais e 15 expatriados.
Outro importante avanço é a reabilitação da Estrada Nacional 103, no troço Bibala/Caitou/Camucuio, a cargo da construtora Telhabel, com início igualmente previsto para este mês e com um prazo de execução de 18 meses.
Com uma extensão de 93 quilómetros, as obras, que garantem igualmente o emprego a 200 nacionais e 15 estrangeiros, vai custar aos cofres do Estado mais de seis mil milhões de kwanzas.
Outra reabilitação acontece na Estrada Nacional 104, no troço Bibala/Lola, com 76 quilómetros de extensão. O início das obras também está previsto para este mês e vão durar 24 meses.
 Lucau Pedro disse que esta última empreitada tem um orçamento acima dos 25 mil milhões de kwanzas e garante emprego para 170 técnicos nacionais e a dez expatriados.

Tempo

Multimédia