Províncias

Reabilitação de vias marca festas da cidade

João Upale | Namibe

Namibe celebra amanhã mais de um século e meio desde que foi elevado à categoria de cidade. De lá para cá, o município sede da província, com o mesmo nome, tem vindo a ganhar outra vida, com a construção de infra-estruturas, económicas e sociais.

Vista parcial da cidade do Namibe onde estão em execução várias obras de impacto social para melhorar a imagem da urbe
Fotografia: Jornal de Angola

Namibe celebra amanhã mais de um século e meio desde que foi elevado à categoria de cidade. De lá para cá, o município sede da província, com o mesmo nome, tem vindo a ganhar outra vida, com a construção de infra-estruturas, económicas e sociais.
Os municípios da província do  Namibe observam uma mudança significativa em termos de construção e reparação das vias rodoviárias, que vai conferir maior mobilidade na circulação de pessoas e bens, assim como facilitar o escoamento de produtos do campo para a cidade e vice-versa.
O governo da província já rubricou um auto de consignação com as empresas adjudicadas à execução das obras que, numa primeira fase, vão efectuar serviços de terraplenagem das vias.
Os trabalhos devem estar concluídos nos prazos previstos, segundo recomendação das autoridades locais.
 Foram consignados quatro troços, do quilómetro 17-Virei (a leste), desvio do Tchicolongilo-Bibala, Bibala-Lola e Camucuio-Mamué (a norte da província).
A empreitada está a cargo da empresa SEOP-Sociedade de Empreendimentos e Obras Públicas.
 A construção da empreitada está orçada em mais de 188 milhões de kwanzas e são concluídas dentro de seis meses.
O representante da SEOP, engenheiro Alexandre Baptista, ressaltou terça-feira que as estradas secundárias e terciárias não pavimentadas também servem para promover o desenvolvimento da região, mas realçou que, à medida que o tráfego vai aumentando, a estrada tende a degradar-se caso não se efectue manutenção.
Diz acreditar que com a intervenção que está a ser feita, a via vai melhorar significativamente e vai ajudar na resolução dos vários problemas das populações.
A reabilitação da estrada que liga o município do Camucuio à comuna Cassimbas está a cargo da empresa Mecanagro e vai durar 110 dias. O projecto está orçado em 90 milhões de kwanzas. A empreiteira Lei Jun Ca trabalha na manutenção do troço Camucuio-comuna do Mamué, que vai durar 180 dias. A empreitada custou aos cofres do Estado 90,87 milhões de kwanzas.

População aplaude

A população do Namibe reage com satisfação à recuperação das vias. Teresa Mónica, vendedora ambulante e mãe de duas filhas, acredita que com a recuperação da estrada, os produtos jamais se vão estragar, porque o percurso fica mais rápido e cómodo.
 O estudante do Virei, Pedro Alberto, mostrou a sua satisfação pelo facto de o Executivo pensar no melhoramento das vias de comunicação entre a capital e o interior da província, porque torna cada vez mais rápido o entrosamento entre as culturas.
“Com o melhoramento da estrada, torna-se possível circular sem problemas, do meu município para a cidade. Também vai ser possível adquirir material ou pesquisar, já que na minha zona não existe Internet”, disse Pedro Alberto.
O director provincial do  Urbanismo, Construção e Ambiente, Carlos de Sá, disse que o acto de consignação, em princípio, visa dar cumprimento ao Programa de Investimentos Públicos, PIP, para a província do Namibe, referindo que o objectivo é de proporcionar o melhoramento das vias secundárias e terciárias, com um apoio efectivo às aldeias, comunas e suas populações.

 Soluções técnicas

A governadora do Namibe, Cândida Celeste da Silva, admitiu que a população da província está a viver um momento de alegria, com a reparação das vias, que vai trazer grandes benefícios, com o combate à fome e à pobreza, conforme orientação do Executivo.
“A reabilitação dessas estradas é o principal objectivo do governo provincial e está consignada com o orçamento da província. Para nós, isto representa uma grande honra,  vamos melhorar as condições de vida dos habitantes e permitir a livre circulação de pessoas e bens”, esclareceu a governadora Cândida Celeste da Silva.
A governadora da província pediu aos empreiteiros para cumprirem os prazos acordados, para que se possa, num tempo curto, devolver a alegria à população.

Pontos críticos

O director provincial do Urbanismo, Construção e Ambiente, Carlos de Sá, assegurou que quanto à solução técnica, nos pontos críticos das vias de acesso vão ser aplicados aditivos como estabilizador do solo, no caso do cimento, para que a via tenha maior consistência e dure mais tempo. 
O director provincial do Namibe do Instituto Nacional de Estradas INEA, Edgar Xavier, esclareceu ao Jornal de Angola que as obras em curso caminham em ritmo acelerado e assim que forem concluídas, outras entram em acção, referindo que se trata de um projecto contínuo, que visa melhorar as vias rodoviárias, para facilitar a circulação.  Pediu à população para redobrar a vigilância para preservar o bem público, como são os casos das estradas e pontes. O apelo, segundo o responsável, surge em função do vandalismo ocorrido na ponte do Giraúl de Baixo, onde, após a inauguração, foram riscadas as placas de sinalização.
Neste momento, acrescentou, está a ser reabilitada a estrada que liga a cidade do Namibe à vila piscatória do Tômbwa e a do Lucira à povoação da Equimina em direcção ao Dombe Grande, na província de Benguela.
As obras, de acordo com o responsável do INEA, estão na primeira linha de prioridades, a nível da província do Namibe.
A manutenção da estrada nacional 280, que liga as cidades do Namibe e Lubango, actualmente é feita pelas empresas Minuila e Abrunhosa. A via rodoviária vai ter um novo modelo.

Casas para os munícipes

Além de estradas a serem construídas e reparadas, a nível da província está em curso a construção de casas económicas e sociais. 
A governadora da província esclareceu que, numa primeira fase, vão ser construídas, em três meses, 26 casas do tipo T3, T4 e T5,  geminadas, individuais e unifamiliares, das 50 previstas.
“Estamos a dar continuidade às obras que iniciámos para dar cumprimento a um compromisso do Executivo, após as eleições de 2008, em construir um milhão de casas”, disse a governadora.
As residências, acrescentou, vão ser, na sua maioria, vendidas aos quadros, numa primeira fase, isto para acolher os técnicos.”
Felicitou os técnicos do Gabinete de Estudo, Planificação e Estatística das Obras Públicas e os consultores que realizaram um estudo profundo para identificar a área onde vai ser construído o complexo residencial.
No Namibe, ainda segundo a governadora, estão a ser reabilitadas e construídas várias infra-estruturas de impacto social, como escolas e centros médicos, para melhorar a assistência e inserir mais crianças no sistema normal de ensino.

Tempo

Multimédia