Províncias

Ruy Duarte dá nome a escola do Namibe

João Upale| Namibe

Uma escola do primeiro ciclo do ensino secundário com doze salas e com capacidade para 1.260 alunos, distribuídos em três turnos, foi inaugurada sexta-feira na cidade do Namibe.

Rui Duarte de Carvalho foi a figura catedrática e emblemática do mosaico cultural da terra dos mucubais
Fotografia: JA

Uma escola do primeiro ciclo do ensino secundário com doze salas e com capacidade para 1.260 alunos, distribuídos em três turnos, foi inaugurada sexta-feira na cidade do Namibe.
Localizada no Bairro dos Eucaliptos, junto à nova esquadra policial da comuna do Forte Santa Rita e do Centro de Saúde, a instituição de ensino chama-se "Escola Rui Duarte de Carvalho", em homenagem àquele que foi a figura catedrática e emblemática do mosaico cultural da terra dos mucubais.
A nova escola, erguida no âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP) do governo provincial do Namibe, foi construída em 190 dias.
No acto de inauguração, a alegria era patente no rosto das crianças que assistiram à abertura de um dos maiores estabelecimentos de ensino da província e o primeiro do género no bairro dos Eucaliptos. Regozijadas, as crianças garantiram tudo fazer para a conservação do imóvel, como sublinhou o pequeno Manuel Kamaty Kaluilui, de sete anos, aluno da terceira classe, em representação dos colegas. "Manifestamos a nossa grande alegria ao ver inaugurada a maior escola do nosso bairro, que vai permitir também a inserção de outras crianças dentro do sistema de ensino. Estamos cientes quanto à conservação e preservação da escola", afirmou durante a leitura da declaração de agradecimento.
O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, Pacheco Francisco, realçou o orgulho da comunidade dos Eucaliptos, pelo facto de matricularem este ano 148 alunos da iniciação, 116 da primeira classe, 70 do módulo dois – aceleração escolar – e 60 da quinta classe, totalizando 394 alunos.
"A capacidade total desta escola é de 1.260 alunos divididos em três turnos", assegurou.

Vigilância redobrada

Pacheco Francisco lembrou que o Ministério da Educação realiza, em todo país, o processo de reforma educativa, cuja fase de experimentação teve início em 2004.
O responsável da Educação afirmou que o governo da província, preocupado com o aumento do nível académico dos cidadãos, colocou o precioso bem, que é a escola, com as condições para proporcionar um melhor estudo e assimilação. "Procurámos corresponder ao vosso gosto pelo saber com este bem precioso, que testemunharam, e que requer o esforço de todos para a sua preservação", disse.
Deixou um recado aos alunos no sentido de redobrarem a sua responsabilidade para cuidarem da escola, tendo a coragem de denunciar à direcção da escola os "colegas vândalos" que querem fazer da escola um espaço de confusão ao invés de estudo. 
Com a inauguração desta instituição, eleva-se para 117 o número de escolas existentes na província do Namibe, o que significa que "o Executivo está a resolver o problema da população estudantil", afirmou o director Pacheco Francisco, que desejou muitos sucessos aos alunos e professores.
A governadora da província, Cândida Celeste da Silva, depois do corte da fita, frisou que o momento era especial, de alegria porque estão de parabéns a direcção provincial da Educação, a administração municipal do Namibe e todos os pais dessa área, que há bom tempo esperavam ter esta estrutura em condições para poder colocar os filhos a estudar.
"Acabámos de inaugurar uma infra-estrutura com bastante qualidade, contámos com a participação dos empreiteiros, que não pouparam esforços para construir e embelezar a estrutura física", afirmou a governadora provincial.

Educação exemplar

A governante ficou muito emocionada com o pequeno Kaluilui, que soube ler a mensagem em nome da comunidade estudantil do Bairro dos Eucaliptos. 
"Acabámos de ouvir a mensagem da criança de sete anos, da terceira classe. Ela apresentou-nos muito bem a mensagem, soube ler muito bem. Tivemos a oportunidade de ver o quanto é importante a dedicação de um professor, o carinho e o acompanhamento dos pais, porque afinal não é só ensinar, é preciso dedicar-se à criança para que crie amizade e carinho ao professor e assim facilmente ela aprender".

Homenagem merecida

O antropólogo Ildeberto Gaspar Madeira, que testemunhou a inauguração da escola primária e secundária do primeiro ciclo "Rui Duarte de Carvalho", reconheceu que esta é uma homenagem merecida, como todas as outras que já foram feitas àquele intelectual angolano. Lembrou que Rui Duarte foi homem de uma grande dimensão intelectual e humana, e pelo facto de ser o patrono desta escola, com tantas crianças que começam a entrar na sociedade através do ensino, sugeriu que "era bom que houvesse uma interacção muito grande entre o ensino que vão proporcionar a estas crianças e os conhecimentos que Rui Duarte de Carvalho foi adquirindo e transmitindo em todas as suas obras".
"É neste ponto que esta situação se reveste da maior importância. O Rui é homem do Namibe, das verdades e dos conhecimentos profundos, não só no domínio das ciências humanas como também na poesia, ficção, cinema, pintura e mais", elogiou. Gaspar Madeira, que representou na cerimónia os demais amigos de Rui Duarte de Carvalho, revelou que nas conversas mantidas com o homenageado, enquanto amigo pessoal, entendeu as preocupações e o amor do poeta em relação a Angola e em especial à província do Namibe. Na sua óptica, os académicos devem fazer o possível para que o seu nome seja gravado na memória de todas as crianças.

Tempo

Multimédia