Províncias

Saúde e Educação são sectores prioritários

Vladimiro Prata| Namibe

O governador provincial do Namibe, Rui Falcão, assegurou que os sectores da saúde e da educação vão continuar a ser as prioridades, com a construção de mais infra-estruturas.

Província do Namibe está a dar passos significativos em termos de infra-estruturas embora seja necessário construir mais escolas
Fotografia: Afonso Costa|Namibe

Rui Falcão salientou que, apesar dos avanços registados nos dois sectores, as autoridades locais  a­postam fortemente na construção e apetrechamento de vários centros de saúde, e reconheceu a necessidade de se prestar mais atenção aos recursos humanos.
A província está bem em termos de unidades clínicas, mas tem, ainda, falta de pessoal para assegurar os serviços, salientou. “A formação local de técnicos depende das quotas que são disponibilizadas e de um trabalho que deve ser feito em parceria com o Ministério da Saúde”, acrescentou.
Depois de referir que já é possível fazer a formação de técnicos superiores de enfermagem no país, considerou ser agora necessário investir na competência e na qualidade dos formados, para que se melhore o sistema sanitário.
Quanto ao sector da Educação, Rui Falcão disse que a província está a dar passos significativos em termos de infra-estruturas, embora continue a ser necessário construir mais escolas, uma vez que ainda existem cerca de sete mil crianças fora do sistema de ensino.
O governador  da província do Namibe garantiu que as autoridades estão igualmente apostadas na agricultura, para combater a seca e reforçar a produção de alimentos, como forma de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Melhorar os abastecimentos

Em relação à energia, o governador esclareceu que a província produz, neste momento, cerca de 23 mega watts, um pouco mais do que se consome, mas, devido ao facto de a rede de distribuição domiciliária estar muito degradada, “é preciso que se melhore a rede técnica, para permitir a sua expansão aos novos bairros”.
Está também a ser feita uma rede nova de iluminação, entre a cidade do Namibe e o aeroporto, que está assente no sistema solar fotovoltaico. Este sistema vai permitir manter alguma disponibilidade de energia produzida, não só para o desenvolvimento industrial mas, fundamentalmente, para a produção de luz de uso domiciliar.
Rui Falcão anunciou a recente negociação com o Ministério de tutela no sentido de ser produzida energia eólica no município do Tômbwa. Numa primeira fase, este sistema vai beneficiar apenas a cidade do Namibe e, posteriormente, outras localidades.
“Depois de fortes negociações, concluiu-se que 50 por cento da produção dessa energia fica no território da província, por ser um potencial adicional para o desenvolvimento industrial e permitir melhorar e aumentar a rede de distribuição domiciliária”, referiu o governador. Quanto ao sector das águas, lembrou que o Namibe era servido por três sistemas de abastecimento – furos industriais –, mas com o passar dos anos, um deles danificou-se.
O Ministério de Energia e Águas contratou uma empresa para fazer todo o trabalho de requalificação do sistema de produção e distribuição da água na sede da província. A primeira pedra foi recentemente lançada, o que permitiu criar os estaleiros e começar a fazer o parqueamento de todos os meios técnicos, tecnológicos e outros para a empreitada. “Está-se a trabalhar muito seriamente nesse sentido e, dentro de pouco tempo, vão estar criadas as estratégias para se começar a trabalhar na captação”, disse. A província do Namibe vai passar a ter cinco furos, com grande capacidade de produção. Pretende-se, ainda, melhorar toda a área de produção em termos de instalações e construir novos laboratórios, para depois serem substituídas as redes de distribuição de água.
O trabalho a ser desenvolvido, a partir de Janeiro ou Fevereiro do próximo ano, vai durar cerca de dois anos e meio.

Tempo

Multimédia