Províncias

Saúde melhor servida de transportes

João Upale | Kamukuio

O hospital municipal do Kamukuio, no Namibe, está mais bem servido de transportes o que vai ajudar na cobertura dos serviços de consulta ambulatória em toda a sua extensão territorial.

O hospital municipal do Kamukuio, no Namibe, está mais bem servido de transportes o que vai ajudar na cobertura dos serviços de consulta ambulatória em toda a sua extensão territorial.
Dos meios de transporte entregues pela governadora Cândida Celeste, na quarta-feira, fazem parte uma ambulância equipada com primeiros socorros, para atender aos cuidados primários de saúde, uma viatura todo-o-terreno e quatro motorizadas para os postos de saúde das localidades mais distantes.
O director do hospital municipal, João Mudiambo, manifestou a sua satisfação pelo gesto do governo da província, referindo que o momento é impar e de muita alegria. “Com estes meios torna-se mais fácil ir ao encontro da população, levando os cuidados de saúde primários, sem qualquer problema.”
Considerando estável o sector da saúde no município, lembrou, contudo, que neste período de chuva é quando mais se registam várias patologias, sobretudo as diarreicas.
A estrutura física do hospital municipal, que dispõe de 20 camas, está a receber obras de reabilitação de fachada. Nos próximos tempos, a unidade vai dispor de uma morgue com capacidade para seis corpos, cujas obras também estão na recta final.
O município conta com um hospital e sete postos de saúde. Os serviços hospitalares são assegurados por um médico e alguns técnicos de enfermagem. Para completar o corpo clínico, o director do hospital mostrou-se confiante quanto ao futuro da instituição, sublinhado ser vontade do Executivo formar novos quadros para suprir a carência no sector.
“Estou convencido que, num curto espaço de tempo, iremos receber médicos em várias especialidades. Vamos acreditar que esse momento há-de chegar, para melhorarmos os nossos serviços junto da população”, disse. Uma outra preocupação apontada pelo responsável tem a ver com a paralisação do laboratório de análises clínicas, que deixou de funcionar no início das obras.
Em função disso, explicou que o hospital está neste momento a efectuar um diagnóstico rápido que determina a patologia.
No município, registam-se poucos casos de seropositividade, como resultado de várias fases de aconselhamento que as autoridades sanitárias têm, periodicamente, levado a cabo. No último trimestre, foram notificados três casos.

Tempo

Multimédia