Províncias

Veterinários angolanos em formação na Namíbia

Manuel de Sousa | Namibe

O director nacional dos Serviços de Veterinária de Angola, António José, disse ontem, no Namibe, que os técnicos angolanos vão beneficiar de formação na vizinha República da Namíbia, para melhorar a prestação de trabalho junto das populações.

O director nacional dos Serviços de Veterinária de Angola, António José, disse ontem, no Namibe, que os técnicos angolanos vão beneficiar de formação na vizinha República da Namíbia, para melhorar a prestação de trabalho junto das populações.
António José fez estas declarações no acto de abertura da décima terceira reunião de harmonização dos serviços veterinários dos dois países, realizada ontem na sala de reuniões da direcção provincial das Pescas do Namibe.
As doenças animais que assolam a vizinha República da Namíbia ao longo da fronteira são as mesmas que os serviços de veterinária de Angola controlam, daí a importância destes encontros, realizados duas vezes por ano (na Namíbia e em Angola), que visam essencialmente a troca de experiência e encontrar soluções conjuntas para o combate e o controlo do movimento de animais e produtos e subprodutos ao longo da fronteira.
“Nós temos estado a verificar, por exemplo, a redução da pneumonia contagiosa e não só, também estamos a ver em termos de movimento de gado um maior controlo”, garantiu António José.
Para Tina Shilongo, chefe da delegação namibiana, estes encontros são muito importantes, por existir vontade dos dois países em resolver os problemas comuns, com a implementação de estratégias de controlo ao longo da fronteira, para erradicar todas as doenças animais.
“Para que isto se concretize é necessário persuadir as populações que vivem ao longo da fronteira e as comunidades próximas a aderirem às campanhas de vacinação”.
A vice governadora do Namibe, Maria dos Anjos Mahove, disse, na abertura do acto, que a luta contra a fome, a miséria e o controlo das principais doenças constituem os pressupostos fundamentais para o desenvolvimento. Por este facto “os dois países, no caso dos serviços veterinários, são chamados a contribuir para garantir a segurança zoosanitária do efectivo pecuário, prevenindo todos os actos que possam pôr em causa o cumprimento e implementação prática das recomendações do 12º encontro, realizado em Ondangwa, República da Namíbia.
Os pontos abordados no encontro reflectem o interesse de conter as epidemias que afectam a população bovina e não só,  primando por programas de harmonização que beneficiem ambos os países.
O papel dos serviços de veterinária dos dois países ao longo da fronteira comum  foi enaltecido pela governadora.
 A situação actual da febre aftosa na Namíbia, o controlo do movimento de animais, produtos e subprodutos ao longo da fronteira (Namibe, Cunene, Kuando-Kubango e Huíla), e o plano para obtenção do estatuto livre de febre aftosa nas áreas comunais do Norte da Namíbia, foram os principais pontos discutidos na reunião.

Tempo

Multimédia