Províncias

Naturais do Mungo preocupados com a situação social

Rodrigues Cambala |

 

Um grupo de cinco naturais do Mungo, província do Huambo, perspectiva criar, brevemente, uma associação regional de carácter filantrópico para contribuir no desenvolvimento social, cultural e económico do município

Ângulo do município do Mungo que carece de diversas infra-estruturas
Fotografia: Francisco Bernardo

 

Um grupo de cinco naturais do Mungo, província do Huambo, perspectiva criar, brevemente, uma associação regional de carácter filantrópico para contribuir no desenvolvimento social, cultural e económico do município.
Pakas Mendes de Carvalho, tenente general do Exército, na reforma, promotor do projecto, revelou, ao Jornal de Angola, que a ideia surgiu após uma visita, recente, ao município, depois de quase cinco décadas sem regressar à terra natal.
O município, disse, precisa do contributo de todas as pessoas para a redução das carências dos habitantes.
Visitei a zona e fiquei bastante constrangido com a miséria, quando tenho informações de que Mungo foi economicamente forte. Hoje, é um monstro adormecido”, afirmou, sublinhando que o município está numa “situação calamitosa do ponto de vista social”.
Pakas Mendes de Carvalho disse, também, que as autoridades sanitárias “devem tomar medidas urgentes para conter a propagação do VIH/Sida, que está a causar muitos óbitos naquelas famílias” e que o “alastramento da doença tem a ver com o elevado índice de miséria que afecta a população”.
Dados obtidos junto das autoridades locais, referiu, revelam que num universo de 15 mil mulheres grávidas, 85 por cento são jovens com 14 e 15 anos.
O índice de mortalidade materna e infantil é bastante elevado, alertou, dizendo que “crianças procriam outras, uma situação que tem consequências negativas na vida destas mães adolescentes”. Mendes de Carvalho reconheceu os esforços que o Governo tem para reduzir as dificuldades das populações, mas disse ser necessário que os cidadãos organizados contribuam. igualmente, para o bem-estar das comunidades. “Espero que os amigos e naturais do Mungo conjuguem esforços para o combate à pobreza no Mungo. Precisamos da colaboração de todos porque somente o esforço do Governo não é suficiente para criar as condições básicas da população”, afirmou.
 É provável, referiu, que os principais apoios da organização sejam à saúde e à educação.
“É curioso, há mais rapazes nas escolas do que raparigas, porque a partir dos 14 anos elas casam-se.”
Os cidadãos naturais e amigos do Mungo interessados em fazerem parte da associação devem ligar para  923415365 e 912447259.
A vila do município do Mungo completou, em 7 de Outubro, 46 anos de existência, a 7 de Outubro.

Tempo

Multimédia