Províncias

Novo bispo de Benguela faz apelo a mais actos solidários

O novo bispo da Diocese de Benguela, D. António Francisco Jaca, exortou ontem os angolanos a promoverem a paz e reforçar o espírito de solidariedade para com os que mais sofrem.

Diocese de Benguela tem desde ontem um novo pastor
Fotografia: DR

Ao presidir à primeira missa como bispo Diocesano de Benguela, D. Jaca pediu aos fiéis para não se distanciarem nunca de Deus por causa de bens materiais e a serem virtuosos na prática diária do bem. Pediu harmonia no seio das famílias para a construção de uma sociedade estável e sadia.
De acordo com o prelado, “ninguém pode escapar do olhar penetrante de Deus, ninguém pode escapar da presença de Deus”, que vai sempre ao encontro do homem, não para o condenar, mas para o salvar”.
Lembrando os momentos da sua nomeação a bispo de Benguela, pelo Papa Francisco, D. Jaca disse “estar firme na responsabilidade” que lhe foi confiada e disponível para levar a bom porto as tarefas da Igreja, subscritas no mandamento  “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”.
Apelou aos presentes evitarem “palavras odiosas que semeiam a divisão nas famílias e nas comunidades paroquiais e religiosas”, assim como nos locais de trabalho. “Que este mandamento do amor ao próximo esteja no coração de todos”, realçou.
D. Jaca prometeu trabalhar para a expansão do Evangelho em todas as localidades da Diocese, assim como aumentar o número de paróquias.
A celebração teve lugar na Capelinha dos Navegantes. Assistiram ao acto, o Núncio Apostólico, D.Peter Rajic, o presidente e o vice-presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), D. Filomeno Vieira Dias e D. Manuel Imbamba, respectivamente, os arcebispos do Huambo, D. José de Queiroz Alves, de Malanje, D. Benedito Roberto, vários bispos, sacerdotes, teólogos, seminaristas do curso de filosofia, leigos, membros do Governo Provincial de Benguela e representantes do Ministério da Cultura.
Durante o acto foram lidas mensagens de felicitações do Governo Provincial de Benguela, da Assembleia Nacional e do Ministério da Cultura.

Histórico
D. António Francisco Jaca sucede a D. Eugénio Dal Corso, que sucedeu a D. Óscar Braga no Governo Pastoral daquela Diocese costeira. D. Jaca torna-se no quarto bispo da Diocese de Benguela, fundada em 1974 por D.Armando Amaral dos Santos, sucedido por Dom Óscar Braga em 1975, que se resignou dando lugar a Dom Eugénio Dal Corso, que agora deixa a vaga para o novo pastor.
D. Jaca que nasceu em Malanje, em 3 de Novembro de 1963, é filho de Francisco Jaca e de Rosa António. Fez os primeiros votos religiosos em 1987 e ordenou-se presbítero em 1991. Desde 2002 desempenhava o cargo de provincial dos Padres do Verbo Divino em Angola, tornando-se o primeiro bispo verbita natural de Angola. A 6 de Junho de 2007 foi nomeado bispo da Diocese de Caxito, por Sua Santidade o Papa Bento XVI, aquando da elevação daquela nova Diocese, sendo o seu primeiro bispo.
 Com a sua nomeação, a Congregação do Verbo Divino passou a contar com 51 bispos distribuídos pelas diversas dioceses em todos os continentes.
 De 1981 a 1984, D. Jaca frequentou os estudos filosóficos no Seminário Arquidiocesano Sagrado Coração de Jesus, em Luanda. Em 1985 começou o noviciado junto do Instituto dos Verbitas em Kinshasa (República Democrática do Congo) e, em 1987, emitiu os primeiros votos.
 Fez a profissão dos votos solenes em 1990, depois de ter concluído o Curso de Teologia no Seminário dos Missionários de Scheut (Teologado Eugénio de Mazenot), sempre em Kinshasa.
 Foi ordenado diácono em 1991 e, no mesmo ano, a 29 de Setembro, recebeu a ordenação sacerdotal em Malanje, pelas mãos de D. Eugénio Salessu, daquela Diocese.
Após a ordenação, foi enviado como vigário para a Missão Católica do Nzeto.

Tempo

Multimédia