Províncias

Obras sociais são avaliadas

Jaquelino Figueiredo | Soyo

As obras de impacto social em curso nas comunas de Mangue-Grande, Quelo e Sumba, no âmbito do programa de combate à pobreza, foram avaliadas sexta-feira pelo primeiro secretário provincial do MPLA no Zaire, Joanes André.

O conjunto de infra-estruturas sociais inclui a construção da sede da administração da comuna do Quelo, casas evolutivas, postos de saúde, escolas do I e II ciclos de ensino, casas da Juventude, sistemas de abastecimento de água, bem como a reabilitação de vias de circulação internas.
O 1º secretário provincial do MPLA, disse que o ritmo das empreitadas satisfaz, na medida em que a maior parte dos projectos, como a sede da administração do Quelo, residências para o administrador e o seu adjunto, centro de saúde, escola do I ciclo e as casas evolutivas e da Juventude encontram-se em fase adiantada.
“Estou satisfeito por aquilo que vejo aqui no Quelo”, disse, referindo que os empreiteiros  trabalham a bom ritmo, o que é bom, porque o povo precisa de ter condições condignas para o seu bem-estar.
“O Governo Provincial está a erguer novos edifícios, além de  reabilitar e ampliar os antigos”, precisou Joanes Andre.
Entre os emprendimentos reabilitação, está o posto de saúde que vai passar de uma cama para 15 e a  construção de uma escola do II ciclo com nove salas de aulas e no fim das obras nenhum jovem vai necessitar de deslocar-se para a sede municipal em busca da formação média.
/>Nível de organização

As visitas  serviram igualmente para constatar o nível de organização do partido maioritário na Assembleia Nacional, visando os preparativos do VII Congresso do MPLA, previsto para o próximo ano em Luanda.
Joanes André disse na ocasião que o MPLA é o único partido que sempre esteve ao lado do povo e conhece as dificuldades dos cidadãos em todos os pontos do país, por isso, disse ser importante a nparticipação de todos nasa tarefeas da reconstrução do país.
“O partido  está ligado ao povo e não espera que haja eleições para trabalhar com o povo ou aproximar-se das populações. Aqui, no Quelo, quase não tínhamos nenhuma infra-estrutura, mas já temos quase tudo, conforme vêem”, acrescentou.
A questão do alojamento dos quadros nas comunas está a ser resolvida,  com a construção de dez casas evolutivas a nível de todas as comunas.
“Também existem problemas de água, pelo que está orientado superiormente a localização dos espaços para a construção dos sistemas de tratamento e distribuição, através do programa Água para Todos”, revelou.

Tempo

Multimédia