Províncias

Os negócios prosperam e o progresso está mais perto

Kátia Ramos| Ndalatando

Jovens empreendedores que aderiram ao Crédito Jovem em Ndalatando (Kwanza-Norte) e desse modo criaram o próprio negócio, consideram positivas as modalidades de reembolso dos valores disponibilizados durante a primeira e segunda fase do programa.

Vista parcial de Ndalatando onde jovens empreendedores contemplados com créditos bancários trabalham para dar outra imagem à cidade
Fotografia: JA

Jovens empreendedores que aderiram ao Crédito Jovem em Ndalatando (Kwanza-Norte) e desse modo criaram o próprio negócio, consideram positivas as modalidades de reembolso dos valores disponibilizados durante a primeira e segunda fase do programa.
Diogo Bunga, de 24 anos, e Cristina Vota dos Santos, de 22, são exemplo disso. Cada um beneficiou de 15 folhas de chapa de zinco, um carro de mão, martelo, pregos, barrotes, para além de outros meios de construção e mais dois mil dólares. Com estes meios e o dinheiro que cada um deles recebeu foi-lhes possível terminar as suas residências, onde hoje vivem.
Cristina dos Santos é mãe solteira, residente no bairro Sassa, arredores de Ndalatando.
Contou à nossa reportagem que parte do dinheiro que recebeu investiu num negócio, aos poucos, e está a terminar de pagar a dívida ao banco.
O jovem Diogo Bunga, funcionário público e actualmente a residir com a família na sua nova casa, no bairro Hoja-ya-Henda, revelou que as modalidades de pagamento da dívida são processadas todos os meses, num desconto automático deduzido no salário. Sem avançar a quantia de dinheiro ainda em falta para concluir o reembolso, disse simplesmente que está próximo de se livrar da dívida.
Francisco de Barros, 27 anos, proprietário de uma das maiores padarias na cidade de Ndalatando, viu o seu negócio prosperar assim que recebeu um kit completo de padaria e 4.500 dólares.
“Fruto do crédito, concedido através do “Angola Jovem”, do Ministério da Juventude e Desportos, a minha padaria aumentou a produção, a qualidade do produto e, consequentemente, o número de trabalhadores.
Hoje congregamos cerca de 74 funcionários, entre padeiros e vendedeiras, e atingimos diariamente uma produção de 19 mil pães”, disse. Francisco de Barros explicou que o reembolso da dívida já está concluído e hoje trabalha com capital próprio.
Para João Afonso Leitão, 28 anos, não é difícil fazer negócio, basta que o mesmo seja bem arquitectado. O jovem é proprietário de um armazém de venda de cimento, outro de venda de bebidas a grosso e a retalho, bem como de um snack-bar. Hoje tem o seu negócio montado graças ao “Angola Jovem”, do qual recebeu, em 2008, 23 mil dólares.
Esclareceu que o seu negócio empregou outros 15 jovens e que, actualmente, já devolveu ao banco cerca de 86 por cento da dívida e o negócio corre bem, visto que está a conseguir pagar o empréstimo através dos rendimentos, que ainda dão para pagar os salários aos seus trabalhadores.

Novos postos de trabalho

O director do Kwanza-Norte da Juventude e Desportos, Manuel Gaspar Domingos, informou que mais de 425 jovens da província foram abrangidos e cerca de 19.974.087 kwanzas foram disponibilizados nos últimos dois anos, à luz do “Angola Jovem”.
O programa teve início em Abril de 2008 e, na altura, beneficiou mais de 64 cooperativas e criou cerca de 242 novos postos de trabalho em toda a região.
Gaspar Domingos explicou que o Instituto Nacional Apoio às Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) deu formação aos jovens para poderem constituir as suas empresas e saber geri-las.
Foram formados cerca de 111 jovens, de ambos os sexos, nos municípios de Cazengo (63) e Kambambe (48), para além de outros 81dos municípios de Ambaca e Samba-Cajú. />O pacote beneficiou 26 cooperativas do município de Cazengo, com um valor estimado em 10.084.845 kwanzas, distribuídos por 163 beneficiários.
Em Cambambe, 24 organizações foram apoiadas com um total de 6.497.100 kwanzas, enquanto em Ambaca sete cooperativas foram contempladas com um valor de 2.375.428 kwanzas e um total de 80 beneficiários.
Na mesma senda, o município de Samba-Cajú, com cinco cooperativas, beneficiou de 633.537.00 kwanzas e o Golungo-Alto, com duas associações, recebeu 383.177 kwanzas.

Negócios preferidos

O director acrescentou que para estes jovens os negócios escolhidos são o comércio, prestação de serviços, pequenas indústrias, agro-pecuária, construção civil, transporte e pesca, em função da permanente divulgação do programa nas áreas rurais.Referiu que o programa Crédito Jovem vai, nos próximos dias, abrir outra linha de empreendimentos para abranger jovens com vocação para o negócio, com mais de 125 novos projectos que aguardam aprovação e financiamento.
O director afirma que, até ao momento, apenas se deparam com problemas relacionados com uma cooperativa apostada no negócio de transporte, que ficou com duas moto-táxis avariadas, pouco tempo depois da aquisição, sem possibilidades de conserto. “Eles não têm como continuar a trabalhar para o reembolso”, disse.
A direcção da Juventude e Desporto, no quadro do “Angola Jovem”, distribuiu kits, a mais de 602 jovens desfavorecidos dos dez municípios da província, para além de outros meios entregues a jovens inseridos em vários programas, como chapas de zinco, cadeiras, mesas de plástico, carros de mão, bicicletas, pregos, martelos, baldes, serrotes, candeeiros, lanternas e fechaduras.

Formação profissional

Cerca de 492 jovens que concluíram recentemente cursos de formação profissional foram igualmente contemplados com kits diversos e meios de circulação (moto-táxi), roulotes, máquinas de corte e costura, redes de pesca, kits de mecânica, de agricultura, para engraxadores, máquinas de pipoca e carrinhos de picolé.
Gaspar Domingos disse que estão em construção dois centros comunitários da juventude, nos municípios de Cambambe e Golungo-Alto, que estarão à disposição da juventude para a formação, informação, prestação de serviço e lazer. As obras já estão em fase de conclusão, faltando o seu apetrechamento para a inauguração.
No bairro social da juventude, um total de 45 residências do tipo T3, das 100 previstas, já estão concluídas e apetrechadas no município de Cazengo.
 O director provincial da Juventude e Desportos disse que estão identificados alguns jovens empreendedores na área agrícola e outros que manifestam interesse na aquisição de moto-bombas e sistemas de irrigação.
“Muitos jovens também estão interessados em kits de salão de beleza e barbeiro, máquinas de fabricação de blocos e de pastelaria, que a direcção da Juventude e Desporto se propõe adquirir”, disse o director, acrescentando que mais de oito cooperativas solicitaram Roulouttes Ki-kuia, por ser um dos negócios mais rentáveis.

Tempo

Multimédia