Províncias

Populações das zonas rurais estão melhor servidas

Estanislau Costa | Lubango

Escola, posto de saúde, sistema de água potável e energia eléctrica estão agora mais próximos das populações das zonas rurais, graças aos equipamentos que estão a ser alvo de sucessivas inaugurações e abertura ao público.

Soba e regidores agradecem os esforços do governo da província na melhoria das condições de vida das populações
Fotografia: Estanislau Costa

Escola, posto de saúde, sistema de água potável e energia eléctrica estão agora mais próximos das populações das zonas rurais, graças aos equipamentos que estão a ser alvo de sucessivas inaugurações e abertura ao público. No segundo semestre deste ano, as terras da Chela tornaram-se um imenso estaleiro. Os resultados estão agora à vista.
O modo de vida das famílias residentes nas sedes municipais, comunais e povoações da Huíla registou, este ano, melhorias substanciais com a abertura ao público de novos equipamentos de impacto socioeconómico, erguidos através da execução do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza.
Os novos empreendimentos, construídos em períodos de 150 a 180 dias por empresas locais, dão maior eficácia e eficiência ao serviço público, principalmente nos sectores da saúde, educação, energia e águas, comércio, desporto, cultura e sanidade animal.
A conclusão com êxito das 248 empreitadas prescritas no Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza levaram as autoridades da província a percorrer cidades, vilas, zonas recônditas da Huíla, para proceder a sucessivas inaugurações. O governador provincial da Huíla, Isaac dos Anjos, referiu, nos cumprimentos da praxe, que as obras, executadas com qualidade e dentro dos prazos contratuais, custaram ao Executivo mais de dois milhões de kwanzas.
As oportunidades oferecidas pelo programa permitiram o surgimento de uma nova classe empresarial nos municípios. Os empresários do ramo da construção civil e fornecedores devem, segundo o governador, aperfeiçoar o seu sistema de organização, para apresentarem melhores propostas para as obras previstas para 2012, com os 280 concursos públicos marcadas para o mês de Janeiro e que fazem parte do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza.
Aos administradores municipais, Isaac dos Anjos pediu para observarem, com rigor, a Lei da contratação pública e da probidade administrativa e terem a responsabilidade do acompanhamento dos processos de abertura dos concursos públicos e da conclusão das obras nos prazos previstos.
A concretização com êxito do programa do Executivo trouxe uma nova imagem e favoreceu as famílias que residem nas zonas mais recônditas da Huíla.
Como constatou o Jornal de Angola, em algumas zonas contempladas pelo programa, a realidade é hoje completamente diferente de há uns meses. Nas comunas, os pacientes deixaram de se deslocar aos hospitais municipais ou à sede provincial, por já disporem de postos e centros de saúde.
 Os novos geradores de energia eléctrica, sistemas de distribuição de energia ao domicílio e postes de iluminação pública recentemente montados, livraram as comunas da monotonia, principalmente à noite. As crianças em idade escolar já possuem instalações condignas para estudar próximo das suas aldeias.
As escolas erguidas e apetrechadas com mobiliário diverso possuem seis salas cada, com capacidade para albergar 35 a 40 alunos. O programa incluiu casas do tipo T3 e T4 para acomodar os técnicos de saúde e da educação provenientes dos vários pontos da província.
A preocupação relacionada com o abastecimento de água potável à população, prática do desporto, recreação e lazer dos jovens e crianças, bibliotecas para pesquisa, embaraços na circulação de pessoas e mercadorias por falta de pontecos, tanques banheiros e manga de vacinação de animais que prostrava os habitantes das comunas e povoações, está também solucionada.
 
Sobas reconhecem novos feitos
 
A construção de importantes empreendimentos socioeconómicos em várias localidades e a sua implicação na melhoria das condições de vida das famílias mereceu o reconhecimento das autoridades tradicionais, comerciantes, religiosos e crianças em idade escolar.
O soba da comuna do Waba, município de Caconda, António Capipa disse que a província da Huíla fecha o ano com nota positiva. “Estou mais satisfeito porque as comunas e aldeias têm escolas bonitas para os nossos filhos, posto de saúde para curar as nossas doenças e corrente eléctrica”, acrescentou.
Confessando-se estupefacto com o curto prazo de execução das obras, a qualidade dos imóveis e por abrangerem quase todos os pontos da província, afirmou que “as obras bonitas, agora, não estão só nas cidades. Aqui no ‘mato’ também temos novas escolas, postos de saúde, casa para os técnicos em condições e iguais às da sede”.
O soba grande da Huíla, Joaquim Huleipo, destacou a importância das novas escolas, postos de saúde, sistema de abastecimento de água potável, tanque banheiro e manga de vacinação para os animais para a população das zonas rurais destas paragens.
“Estamos a criar muitos bois, por isso, às vezes há problemas com a sanidade dos animais, com mortes registadas, porque o criador, em certos casos, não domina bem o tipo de doença que afecta o boi, ou não vacinou o animal, ou não tem cuidado com a higiene dos animais”, afirmou.
Os tanques banheiros e as mangas de vacinação construídas em zonas com muitos animais, refere o soba, trazem tranquilidade aos criadores tradicionais, por despertar atenção para a importância que se deve ter com a sanidade animal e educar as pessoas indecisas sobre a vacinação permanente do gado.
Joaquim Huleipo, que fez elogios à criação e execução do Programa por ter dado uma nova dinâmica às comunas e aldeias da província, aconselha os pais a levar as crianças às novas escolas, em vez de ficarem apenas a pastar os animais.
O soba grande argumentou que as escolas, os postos médicos, os sistemas de captação e abastecimento de água potável e outras infra-estruturas sociais, construídas nos bairros, estão agora muito próximo dos adultos, jovens e crianças.

Tempo

Multimédia