Províncias

Professores faltosos no Bié com salários desactivados

Delfina Victorino | Cuito

Um total de 1.715 professores de diferentes instituições escolares do Bié vão ser desactivados das folhas de salário pela Direcção Provincial da Educação, nos próximos dias, por incumprimento das suas funções, anunciou ontem, na cidade do Cuito, o responsável do sector.

Governo Provincial pede mais dedicação aos professores para melhorar o processo de ensino
Fotografia: Sérgio V. Dias

Basílio Caetano, que falava durante a apresentação dos dados escolares do Bié, no quadro de uma visita à província do ministro da Educação, Pinda Simão, disse que dos 14.725 cadastrados existem muitos casos de professores que não cumprem os seus deveres.
O governador provincial do Bié, Boavida Neto, assegurou ao ministro da Educação que os professores faltosos, num total de 1.715, que continuam a beneficiar de remuneração do Estado, mesmo não desempenhando as suas funções nas instituições em que leccionam, vão ser penalizados. O Governo Provincial “não vai permitir esta situação” e, por isso, orientou as Administrações Municipais e as Direcções de Educação no sentido de desvincularem os professores ausentes. Boavida Neto disse ao ministro Pinda Simão que 88 professores e directores de instituições do sector no Bié continuam sem enquadramento na carreira docente.
O ministro da Educação encorajou as autoridades provinciais a permanecerem na tomada desta decisão, com vista a disciplinar os professores faltosos e a realizar um trabalho profundo para permitir a descoberta das razões que estão na base do elevado número de professores ausentes.
O governante solicitou ainda para que haja uma maior interacção entre as famílias e o sector da Educação, com o objectivo de se melhorar o processo de ensino e da formação da criança. A participação triangular entre escola, família e professor ajuda a melhorar o desempenho e a harmonia social, disse. O ministro Pinda Simão assegurou que em relação aos professores e directores que não beneficiaram de promoção, o Ministério da Educação vai continuar a ter em conta a carreira do docente e pediu calma aos lesados.

Tempo

Multimédia