Províncias

Província com falta de professores e salas de aulas

Casimiro José| Sumbe e Lourenço Bule| Menongue

O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia do Cuanza Sul disse que o sector necessita de 1.427 novos professores e espaços escolares correspondentes, para atender um universo de 64.207 crianças com idade escolar, que se encontram fora do sistema normal de ensino e aprendizagem.

Processo da merenda escolar vai continuar mas o número de beneficiários pode diminuir em função da crise actual
Fotografia: Casimiro José| Sumbe

Francisco de Figueiredo Júnior disse que para dar respostas às necessidades, o Governo Provincial tem em vista a construção de mais escolas, mas para tal, defendeu o envolvimento das comunidades nas tarefas do Executivo para que todo um processo tenha êxito.
“O processo de ensino e aprendizagem é um fenómeno social, daí que as comunidades devem jogar um papel importante na solução de alguns problemas, sobretudo ligados à falta de infra-estruturas escolares. Está em curso um programa de construção de escolas provisórias com a ajuda das comunidades para dar resposta a algumas necessidades”, salientou.
O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia lembrou que a comparticipação das comunidades e dos parceiros sociais do sector não se limita à construção de escolas, mas também no acompanhamento dos filhos para que tenham sucesso escolar.
No quadro do Programa de Investimentos Públicos (PIP) do Governo Provincial, foram construídas e concluídas novas infra-estruturas escolares nos municípios da Cela, Seles, Porto Amboim, Amboim, Quibala, Mussende, Libolo e Cassongue.

Escolas construídas

As escolas construídas, que representam um universo de 190 salas, e a entrada de mais 321 professores recrutados por concurso público em 2014, resolvem parte dos problemas que o sector da Educação enfrenta. Outras 29 salas se encontram em fase conclusiva e dentro de três meses juntam-se às já existentes. O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, Francisco de Figueiredo Júnior, garantiu estarem criadas as condições técnicas e humanas para o arranque do ano lectivo 2015/2016, com uma rede escolar que compreende 525 escolas, correspondente a 5.425 salas de aulas nos vários subsistemas de ensino.
Na província existem duas escolas de formação de professores e cinco Magistérios Primários. O processo da merenda escolar vai continuar, mas o director provincial da Educação alertou que o número de beneficiários pode diminuir em função da crise actual.

Menongue tem mais escolas


Mais de cinco mil alunos que estudavam debaixo de árvores e em capelas no município de Menongue, na província do Cuando Cubango, vão ver melhoradas as condições de ensino, ao frequentarem as oito escolas acabadas de construir e que estão devidamente apetrechadas. As novas escolas foram construídas nos bairros Boa Vida, Tchihongo, Balombo, Soba Matias, Capunha, Cambinda Camanjolo, Sacampoco e Missão Católica. Vão permitir o ingresso de centenas de crianças que se encontram fora do sistema de ensino.
O vice-governador para o sector Político e Social, Pedro Camelo, referiu que inauguração das infra-estruturas constitui uma mais-valia para a população estudantil e demonstra os esforços do Governo Provincial em minimizar o défice que se regista no sector da Educação com a falta de salas de aulas.
Pedro Camelo disse que com a entrada em funcionamento das oito escolas, os alunos têm a possibilidade de estudar em melhores condições.
“Temos um universo de alunos que ultrapassa a capacidade das infra-estruturas de ensino e, este ano, vamos inaugurar mais salas de aulas, de modo a irmos diminuindo este problema, embora todos os anos existem crianças em idade escolar”, sublinhou.
O vice-governador disse que o Governo Provincial está a trabalhar no sentido de  suprir as dificuldades do sector da Educação, apesar de estar cancelado o concurso público para o recrutamento de mais professores.
A contratação de professores, referiu, depende muito da quota financeira que cada província recebe e o Cuando Cubango não dispõe de financiamento para o efeito.

Tempo

Multimédia