Províncias

Saurimo sem reservas de sangue

Flávia Massua

A hemoterapia do Hospital Geral da Lunda-Sul, em Saurimo, regista, há cerca de 20 dias, rotura no armazenamento de sangue, o que faz aumentar o risco de morte de doentes com necessidades imediatas de transfusão, disse ontem o chefe de secção do banco de sangue, José Quintas, ao Jornal de Angola.

Última doação ao centro de hemoterapia foi feita em 26 de Maio
Fotografia: Edições Novembro

“A última vez que a hemoterapia encheu 40 bolsas foi a 26 de Maio, durante uma campanha de doação, que contou com a participação da “Brigada Jovens Solidários, Cruz Vermelha e das igrejas Adventista do Sétimo Dia e Universal do Reino de Deus”, referiu. A maior unidade hospitalar da província, acrescentou, realiza em média 20 transfusões por dia e precisa urgentemente de dadores voluntários, sobretudo para o grupo O positivo, bem como A, B, AB e O negativos.
José Quintas ressaltou o esforço de familiares dos doentes na pesquisa e mobilização de pessoas com sangue com as características exigidas, a fim de salvar  “a vida aos seus”, muitas vezes fechando os olhos às condições impostas, por meio de negociações discretas, tendo em conta a raridade do sangue dos grupos referidos.
Nos últimos 30 dias, a hemoterapia registou a morte de um paciente que chegou debilitado, enquanto aguardava por transfusão. As estatísticas para o período em referência, nesta área de serviço, apontam para um “sucesso de 700 transfusões”, na sua maioria feitas a crianças menores de cinco anos.    
Os cuidados recomendados aos dadores, pelo chefe de departamento de Saúde Pública, Gomes Txipilica, a fim de escaparem a possíveis recaídas, começam por uma refeição rica em vitaminas, ingestão de muita água e repouso de pelo menos oito horas por dia.
O médico alertou para os transtornos passíveis de surgir devido ao consumo de cerveja, gasosa, vinho e massa de tomate, aconselhados de forma errada, supostamente para repor o sangue cedido. Segundo o médico, o “uso destes produtos pode causar outras patologias, como alergias e infecções da pele”.

Tempo

Multimédia