Províncias

Sector da Saúde tem mais verbas

André Amaro| Lubango

O governo da Huíla atribuiu às administrações municipais 30 milhões de kwanzas para tornar as unidades sanitárias mais funcionais quanto aos cuidados primários, disse, ontem, ao Jornal de Angola, o vice-governador para a área política e social.

Nas zonas periféricas foram colocadas clínicas móveis para atender a população
Fotografia: Maria Augusta

O governo da Huíla atribuiu às administrações municipais 30 milhões de kwanzas para tornar as unidades sanitárias mais funcionais quanto aos cuidados primários, disse, ontem, ao Jornal de Angola, o vice-governador para a área política e social.
José Arão sublinhou que o governo provincial disponibilizou verbas a todas as administrações municipais "para garantir a dieta alimentar aos doentes" e medicamentos gratuitos nas unidades sanitárias. Além dos 30 milhões de kwanzas, referiu, foram entregues 17 motorizadas aos responsáveis dos postos de saúde das comunas, das aldeias e sectores do município de Quilengues.
As motorizadas, frisou, servem para auxiliar a clínica móvel que se desloca às zonas periféricas e de difícil acesso. José Arão considerou fundamental o papel dos responsáveis das unidades sanitárias, que levam os serviços primários de saúde às comunidades rurais.
O responsável da repartição municipal de saúde em Quilengues, Gabriel Adriano, regozijou-se com o facto das populações das comunas, aldeias e sectores terem assistência médica e medicamentosa gratuita graças ao programa de cuidados primários de saúde. Os cuidados primários de saúde, enquadrados no Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza (PMIDRCP), começaram há seis meses nos centros e postos médicos. O programa tem como metas levar os serviços de saúde às zonas rurais, com a oferta de pacotes de vacinação, consultas e distribuição MMde medicamentos.  A alimentação para os doentes no centro municipal de saúde e postos médicos deixou de constituir problema, disse Gabriel Adriano, revelando que o número de consultas no primeiro trimestre diminuiu para 16 mil contra as 30 mil no mesmo período do ano passado.

Tempo

Multimédia