Províncias

Sector social nas prioridades

José Bule | Uíge

O Governo Provincial do Uíge e a Igreja Católica reforçaram sábado os acordos existentes entre as duas instituições, em diversos sectores de desenvolvimento da província, sobretudo nas áreas da Educação e da Saúde.

Padres e madres de diversas paróquias espalhadas pelo Uíge foram informados sobre as acções de impacto social em curso na região
Fotografia: José Bule

Durante a reunião entre o governador provincial do Uíge e os missionários da Diocese local, Paulo Pombolo fez o balanço das principais acções realizadas pelo Governo Provincial, desde o alcance da Paz, em 2002, até 2014, nos domínios da construção de infra-estruturas escolares, unidades sanitárias, estradas, pontes, fornecimento de água e energia eléctrica e noutros que contribuem para a melhoria das condições de vida das populações.
 Paulo Pombolo destacou o contributo da Igreja Católica   na pacificação dos espíritos e na educação das famílias. “Precisamos de encontrar um denominador comum daquilo que são as nossas acções, fundamentalmente no sector da educação e saúde, ouvindo da Igreja as principais dificuldades que afectam as comunidades, para encontrarmos soluções”, disse.
O governador provincial referiu que o diálogo com a Igreja ajuda o Governo a solucionar vários problemas, uma vez que a instituição religiosa está inserida no seio das comunidades, até mesmo nas zonas mais recônditas.
“A Igreja é um parceiro estratégico do Governo, visto que a nível da educação, por exemplo, através da Escola de Formação de Professores, tem vindo a formar quadros que o Uíge recebe e que são colocados em vários sectores de governação da província”, reconheceu. O bispo da diocese do Uíge, Dom Emílio Sumbelelo, valorizou a realização do encontro: “Tivemos uma comunicação aceitável do governador, sobre todos os projectos que têm sido feitos a nível da província, em termos de desenvolvimento.
Por isso, encontros do género ajudam a dirimir muitos mal-entendidos no seio da população”, frisou.
O prelado católico explicou que este tipo de diálogo e a forma de governação aberta ajudam a passar a mensagem às populações sobre aquilo que se vai fazendo na província.  “O diálogo é muito abrangente e toca a todos, organizando o caminho para encontrar soluções adequadas para os vários problemas que afectam o bem-estar das comunidades, a nível da província, e do país em geral”, concluiu Dom Emílio Sumbelelo. Participaram do encontro o bispo emérito do Uíge, Dom Francisco da Mata Mourisca, padres e madres das diversas paróquias espalhadas pela província.

Tempo

Multimédia