Províncias

Situação social e económica em análise

Delfina Vitorino| Cuito

A instalação de gabinetes para atendimento às comunidades, no âmbito de policiamento de proximidade e o balanço do Programa de Impacto Económico e Social dominaram a  sessão do conselho municipal de auscultação e concertação social da Administração do Cuito.

Vista parcial da cidade do Cuito onde estão em curso diversas acções de impacto social
Fotografia: Francisco Bernardo

O administrador municipal, Avis Agostinho Vieira, informou que a reunião teve como objectivo fazer o balanço das actividades realizadas no terceiro trimestre deste ano.
A avaliação da situação social e económica, a criminalidade e circulação rodoviária foram igualmente assuntos a­bordados. Em relação à assistência médica e medicamentosa, educação e ordem pública, o administrador Avis Agostinho Vieira afirmou que vão merecer especial atenção, para melhorar a prestação de serviços à população.
Quanto à execução financeira do programa de combate à pobreza, durante o ano em curso, o administrador do Cuito lembrou que foi cumprido na ordem dos 80 por cento.
Avis Agostinho Vieira assegurou que durante o último trimestre do corrente ano, a Administração Municipal do Cuito teve a preocupação de manter a estabilidade dos serviços sociais e económicos, face ao nível de execução de projectos lançados. O administrador municipal do Cuito esclareceu que a prestação de serviços melhorou consideravelmente nas unidades sanitárias. Mas manifestou preocupação em relação ao número de alunos fora do sistema de ensino. Para reduzir o índice de crianças que estudam em escolas de chapas no município do Cuito, o administrador disse que estão em construção na região mais 22 escolas, das quais 17 são públicas e cinco privadas.
“No próximo ano lectivo, 20.800 alunos vão ocupar as salas em fase final de construção, para manter a qualidade no processo de ensino e a­pren­dizagem”, disse.
Fazem parte do conselho de auscultação e concertação social directores das unidades sanitárias, escolas do ensino secundário, da Investigação Criminal, Viação e Trânsito e o presidente da Associação dos Motoqueiros (Amotrang).

Tempo

Multimédia