Províncias

Técnicos agrícolas trocam experiências

Casimiro José| Wako Kungo

Técnicos do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) das províncias do Kwanza-Sul, Kwanza-Norte, Benguela, Huíla, Huambo, Bié, Bengo e Luanda, num total de 37, participaram sexta-feira  numa mesa redonda sobre a promoção agrícola no meio rural, como uma das vias para garantir a qualidade de vida nas comunidades.

Estão a ser criadas condições para aumentar a produção agrícola nas comunidades e garantir a segurança alimentar das populações
Fotografia: Jornal de Angola

Promovido pelo IDA, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Brasil (SENAR), a mesa redonda permitiu a troca de experiências sobre os modelos adoptados no desenvolvimento rural e combate à pobreza em Angola e no Brasil, e as valências que as distintas experiências podem ter, para fortalecer o programa integrado que está a ser levado a cabo pelo Executivo.
O encontro, que teve a duração de um dia, debateu questões relacionadas com o processo de produção, comercialização de produtos do campo para a cidade e a necessidade de formação dos agricultores, para fazerem face aos desafios do presente e do futuro.
A apresentação de slides sobre as realidades de Angola e Brasil despertou a curiosidade dos presentes, sobretudo os pontos comuns na aplicação dos programas de combate à pobreza. Foi recomendado o fortalecimento dos mecanismos de intercâmbio com o Brasil no treino de técnicos angolanos, pelo empenho que tem sido demonstrado pelos 13 técnicos angolanos que foram ao Brasil para constatar a realidade daquele país, em termos de funcionamento no meio rural. O coordenador de cooperação internacional do SENAR, Celso Botelho, garantiu que a troca de experiência com técnicos angolanos contribui para o desenvolvimento rural de Angola. “Estamos empenhados nesta troca de experiências entre o nosso órgão e o IDA, porque pensamos ser o caminho ideal para que Angola possa tirar vantagens”, disse. O responsável da Estação de Desenvolvimento Agrário do município do Amboim, Miranda José, um dos que esteve no Brasil, acredita que os conhecimentos colhidos podem reforçar o programa municipal integrado de desenvolvimento rural e combate à pobreza.

Tempo

Multimédia