Províncias

Técnicos de análises clínicas reforçam unidades sanitárias

Adelaide Mualimusi | Ondjiva

A Escola Técnica de Saúde de Ondjiva, na província do Cunene, colocou à disposição do mercado de trabalho, no fim-de-semana, 154 técnicos médios das especialidades de Enfermagem e Análises Clínicas, depois de terem concluído com êxito um ciclo de formação de quatro anos.

No encerramento dos cursos, o vice-governador da província para o Sector Político e Social, José do Nascimento Veyelenge, disse que a formação de quadros competentes constitui preocupação constante do Executivo angolano.
 O governante referiu que a formação é uma mais-valia para a região do Cunene, uma vez que tem ainda carência de quadros nesta área do saber.
José Veyelenge apelou aos recém-formados para cumprirem as tarefas que lhes serão incumbidas para a melhoria da saúde da população, no bom funcionamento dos postos, centros de saúde e hospitais, bem como na humanização dos serviços de saúde.
O director em exercício da Saúde, no Cunene, Belarmino Satyaohamba, disse que a instituição cumpriu com o objectivo, quatro anos depois da sua inauguração, com a formação de especialistas para suprir a carência de técnicos existentes na região.
“Hoje, temos a honra de apresentar os primeiros finalistas nas carreiras de Enfermagem e Análises Clínicas, maioritariamente jovens, para contribuir no engrandecimento da saúde.”
O responsável disse que espera dos finalistas um futuro prometedor, que sejam bons profissionais, que possam contribuir para o desenvolvimento do país e em particular da província.

Professores elogiados

O director da Educação, Ciência e Tecnologia, Lúcio Ndinoite, disse reconhecer os esforços dos professores de nacionalidade cubana e angolana, que, apesar das dificuldades, tudo fizeram para os finalistas, com profissionalismo, reforçarem os serviços de saúde.
Lúcio Ndinoite recomendou aos finalistas maior profissionalismo e, sobretudo, humanismo, pois o sector da Saúde é um dos ramos que contribui para a elevação do índice de desenvolvimento. Os novos técnicos da Saúde comprometem-se em trabalhar em qualquer lugar.

Tempo

Multimédia