Províncias

Trabalhadores querem melhoria de condições

Filipe da Silva | Huambo

Trabalhadores dos sectores públicos e privados da província do Huambo exigiram ontem, durante a marcha em alusão ao 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador o reajuste dos salários e melhores condições laborais.

Fotografia: Jaimagem | Edições Novembro

A marcha, que decorreu sob o lema “Reforcemos o poder dos trabalhadores, para a defesa do emprego e salários dignos”, reuniu mais de 20.000 trabalhadores que, logo às  primeiras horas, acorreram à Praça Doutor António Agostinho Neto. O desfile  terminou ao meio dia no Largo Saydi Mingas.
No final da marcha, o governador provincial, João Baptista Kussumua, felicitou a organização e os sindicatos que, apesar das dificuldades, conseguiram manter a ordem e fazer com que milhares de trabalhadores inundassem as avenidas da cidade e defendessem os seus interesses e os das suas famílias. João Baptista Kussumua disse não ser fácil reunir mais de 20 mil pessoas numa única praça, quando o país e a província vivem dificuldades, em defesa da dignidade  e dos interesses colectivos dos trabalhadores e filiados nos sindicatos. “Nós somos governantes e tomamos boa nota para que, efectivamente, a vida das famílias possa se adequar às preocupações e desejos dos nossos trabalhadores. Importa lembrar que estamos no país que vive o pós-conflito e que tem estado a organizar as instituições. Avançamos para a solidariedade e para a afirmação das nossas instituições e há ainda muita coisa que temos de organizar “,  disse o governador.
O governador provincial tranquilizou os trabalhadores e disse que o país ainda não está em condições de resolver tudo, mas algum esforço tem sido feito no sentido de se ultrapassar tal  problemas. 
O presidente da União dos Sindicatos do Huambo, Adriano dos Santos, lembrou que a actual conjuntura internacional é caracterizada por uma acção coordenada dos trabalhadores e o 1º de Maio constitui o símbolo maior dessa luta que deve ser feita por solidariedade.

Tempo

Multimédia