Províncias

Trovoadas matam pessoas no Cuando Cubango

Weza Pascoal | Menongue

Trovoadas que acompanharam as fortes chuvas que se abatem sobre a província do Cuando Cubango, provocaram desde o início do ano a morte a quatro pessoas e o ferimento de três, disse ontem, em Menongue, o chefe de informação e análise dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros.

Serviços de Protecção Civil e Bombeiros confirmaram que as fortes chuvas que se abatem sobre o Cuando Cubango destruiram várias moradias
Fotografia: José Cola

Agostinho Dala referiu ao Jornal de Angola que duas mortes foram registadas no município de Menongue, um em Mavinga e outro no Cuchi. No mesmo período registou-se ainda o desabamento de 40 casas, deixando ao relento 200 pessoas, assim como a destruição de uma igreja nos arredores da cidade de Menongue.
O chefe de informação e análise dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros sublinhou que, a exemplo de outras províncias do país, o Cuando Cubango está a beneficiar de um projecto de colocação de pára-raios em algumas zonas da cidade, para evitar a morte de pessoas devido às trovoadas.
Foram identificadas duas ravinas de seis metros de largura e um metro de profundidade, nas imediações da escola primária do Bairro Victória, arredores de Menongue, que põem em risco o estabelecimento escolar, a vida dos alunos e moradores da circunscrição, caso não haja uma intervenção para o seu estancamento. Agostinho Dala informou também que foram registados 19 incêndios, menos dez que em igual período do ano passado, dos quais 13 notificados no município de Menongue, três em Mavinga, dois no Cuito Cuanavale e um no Calai. Destes incêndios, sete foram causados por negligência, cinco por curto-circuito, quatro por fuga de gás e três por fogo posto, provocando três mortes, sete feridos e danos materiais avaliados em um milhão e 624 mil kwanzas.
“É importante referir que dos 19 incêndios registados na província, 13 foram extintos pelos bombeiros e seis pela população”, salientou.
Houve ainda 20 afogamentos, menos sete que no ano passado, ocorridos nos rios Cubango, Cuebe, Cúbia e em Cacimbas, com18 no município de Menongue, um em Mavinga e outro no Calai.

Dificuldades

O chefe de informação e análise dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros realçou que, neste momento, a principal dificuldade que a instituição enfrenta prende-se com o ínfimo número de viaturas, que não satisfazem a procura dos necessitados, nem cobrem a extensão territorial de cada município.
Dos nove municípios existentes na província, apenas cinco beneficiam da intervenção dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros, designadamente Menongue, Cuito Cuanavale, Mavinga, Calai e Cuchi, faltando as localidades do Rivungo, Dirico, Nancova e Cuangar.
Agostinho Dala pediu às pessoas para obedecerem sempre aos conselhos dos bombeiros, relacionados com os cuidados a ter com o gás, velas e geradores. Quanto à utilização dos rios, aconselhou a população a identificar as áreas para tomar banho.

Tempo

Multimédia