Províncias

Activistas recebem formação no Uíge

Joaquim Júnior | Uíge

Um grupo de 65 activistas das escolas do ensino primário dos municípios do Uíge e Bungo estão em melhores condições para contribuírem para a aplicação do projecto "Escolas amigas da criança", com vista à promoção do ensino nas localidades e redução do número de crianças fora do sistema escolar.

Promovida pela Direcção Provincial da Educação, a acção formativa reuniu directores, professores de dez escolas seleccionadas para a aplicação do projecto, além das autoridades tradicionais das localidades contempladas.
No seminário, os participantes abordaram questões relacionadas com a articulação do modelo das "Escolas amigas da criança”, Reforma Educativa, 11 Compromissos da Criança e sobre os princípios ou padrões dos indicadores de boas práticas nas escolas.
A responsável do projecto “Escolas amigas da criança”, Zeferina Gomes, disse que a formação de activistas visou reforçar a fase experimental do projecto do Executivo, que visa a melhoria da qualidade de ensino e do ambiente escolar.
Nas comunidades regista-se um índice elevado de crianças fora do sistema de ensino e aprendizagem, motivado pela falta de colaboração dos pais e encarregados de educação, transformando os menores em trabalhadores prematuros.
Em função disso, avançou que os responsáveis do programa vão continuar a trabalhar com os directores das escolas, professores e sobas, para que estes incentivem as comunidades a mandarem as crianças à escola.
O director provincial da Educação, Manuel Zangala, disse que o sector está preocupado com o processo de actualização dos conhecimentos dos seus quadros, daí que se procura adaptá-los às mudanças da globalização e ao desenvolvimento tecnológico que transformam incessantemente o ambiente de trabalho. />“Hoje, não há dúvida de que o estudo e a formação não são apenas uma etapa da vida, mas uma constante ao longo de toda a carreira”, disse o responsável  provincial da Educação.
A actualização profissional, referiu, constitui uma necessidade dentro do exercício do ofício ou função, que se manifesta como iniciativa de aperfeiçoamento do currículo dentro de um ambiente cada vez mais concorrido pela excelência do mercado.

Reforço de capacidades

A par desta formação, a Direcção Provincial da Educação está a capacitar ainda os chefes de secretaria e técnicos da área de Recursos Humanos das escolas dos 16 municípios da província do Uíge em matérias sobre gestão de arquivos, documentos administrativos e gestão da informação, no âmbito do processo de reforço de capacidades institucionais.
Os coordenadores de classe do ensino primário das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática actualizaram igualmente as suas competências sobre os métodos de avaliação da aprendizagem e elaboração de provas.
O formador Lázaro Bula sublinhou a importância da boa gestão do acervo documental, por ser uma memória que permite às instituições darem aos utentes maior facilidade de acesso e às futuras gerações a oportunidade de saber como a organização funcionou e perspectivar a introdução de processos e métodos.

Tempo

Multimédia