Províncias

Agentes actualizam técnicas

António Capitão | Uíge

Ao todo, 242 efectivos, entre agentes da ordem pública e reguladores de trânsito, afectos ao Comando Provincial do Uíge da Polícia Nacional, participaram numa acção formativa destinada a facilitar e melhorar o desdobramento policial, assim como reforçar a segurança e a tranquilidade públicas.

As acções formativas visam melhorar o desempenho dos agentes da Polícia
Fotografia: Eduardo Pedro

Ao todo, 242 efectivos, entre agentes da ordem pública e reguladores de trânsito, afectos ao Comando Provincial do Uíge da Polícia Nacional, participaram numa acção formativa destinada a facilitar e melhorar o desdobramento policial, assim como reforçar a segurança e a tranquilidade públicas.
O acto de encerramento do curso, que teve a duração de dois meses, aconteceu na semana passada, nas instalações do Centro de Instrução da empresa Camargo Correia, no município sede (Uíge).
“O comando provincial do Uíge da Polícia Nacional está agora melhor reforçado com meios técnicos e efectivos com novas tácticas de actuação para facilitar o desdobramento policial e garantir a segurança e tranquilidade pública”, disse o comandante provincial da Polícia Nacional do Uíge.
O subcomissário Domingos Ferreira de Andrade, que encerrou o Segundo Ciclo de Instrução e Formação Contínua dos Agentes da Ordem Pública e Reguladores de Trânsito, referiu, na ocasião, que o processo de actualização dos seus efectivos enquadra-se no reforço de medidas que visam prevenir e combater a criminalidade na província.
“O comando provincial do Uíge tem, a partir desta data, um dispositivo policial que vai permitir responder às situações de segurança pública e procurar aumentar os níveis de confiança, segurança e tranquilidade públicas na província”, assegurou.
Domingos de Andrade acredita que os novos equipamentos, como bafómetros, braçais enumerados, viaturas, metralhadoras, a nova farda e os coletes para cartucheiras, além dos conhecimentos e técnicas adquiridas durante o decorrer do curso, vão potenciar a actuação da polícia e melhorar a prestação de serviços, com rigor e eficiência, em benefício das populações.
“A prevenção e o combate à criminalidade obrigam a adopção de modelos de policiamento e acções de enfrentamento de acordo com a realidade operativa da província”, disse, sustentando que a preparação das forças policiais permite a coesão, o espírito de missão, a elevação dos níveis de prontidão e a predisposição moral e coerência na disciplina.

Tempo

Multimédia