Províncias

Agentes reguladores do trânsito no Uíge promovem campanha de sensibilização

António Capitão | Uíge

Automobilistas, motociclistas, ciclistas e peões são obrigados a cumprir, desde 1 de Março, os novos sinais de trânsito nas ruas da cidade do Uíge. Na maior parte das ruas foram colocados vários sinais de proibição, aviso, passadeiras e outros.

A segurança rodoviária e o combate à sinistralidade nas estradas deixaram de ser apenas preocupação e obrigação do Executivo
Fotografia: António Capitão

Automobilistas, motociclistas, ciclistas e peões são obrigados a cumprir, desde 1 de Março, os novos sinais de trânsito nas ruas da cidade do Uíge. Na maior parte das ruas foram colocados vários sinais de proibição, aviso, passadeiras e outros.
As modificações em torno da circulação rodoviária são visíveis. Por exemplo, na rua do Comércio, partindo do banco BIC até à Escola de Formação de Professores (ex-IMNE), a circulação automóvel faz-se apenas no sentido ascendente e no Pioneiro do Congo também há apenas um sentido de circulação.
A rua Soba Manuel, que passa pela Unidade Operativ da província, tem apenas sentido descendente e a maioria das travessas que ligam as ruas do Comércio e Dr. António Agostinho Neto sofreram várias interditações e mudanças no sentido do trânsito.
A Direcção Provincial de Viação e Trânsito do Comando Provincial da Polícia Nacional do Uíge estabeleceu um período de 15 dias para que a população se adapte às novas regras de circulação.
Os agentes da polícia de trânsito realizam neste período campanhas de sensibilização e esclarecimento da população, para que se evite as constantes transgressões de trânsito.
O director provincial de Viação e Trânsito disse que os novos sinais adequam a circulação automóvel ao novo código de estrada vigente no país. O superintendente-chefe Benedito Cruz referiu que depois de concluídas as obras de requalificação das ruas da cidade, com colocação de asfalto, lancis e passeios foi necessário regular a circulação rodoviária, em consonância com os avanços socioeconómicos e arquitectónicos registados.
“O objectivo principal é a melhoria da circulação rodoviária na cidade e proporcionar maior segurança aos peões”, disse.

Educação no trânsito

Efectivos da Polícia Nacional (PN), das Forças Armadas Angolanas (FAA), estudantes e condutores participaram sexta-feira numa palestra sobre Educação no Trânsito em Angola. O prelector Flávio Armando, escritor e especialista de trânsito, disse que deve haver por parte dos automobilistas maior observância no cumprimento do código de estrada.
Flávio Armando referiu durante a palestra, onde foram abordados vários aspectos ligados ao dia-a-dia nas estradas, como “A Responsabilidade e Segurança na Via Pública”, “Regras de Condução” e “O Impacto do Álcool na Condução”, entre outros, que o condutor deve ser responsável pela sua segurança e das outras pessoas que estiverem na via pública, além de terem a capacidade de observar o trânsito com a máxima atenção, analisar as situações e decidir o que fazer de seguida.
“O condutor, perante os peões, deve adaptar-se à sua presença, moderar a velocidade, aumentar a atenção e concentração, parar o veículo sempre que for necessário e dar prioridade, por ser ele o principal regulador do trânsito. Essas são algumas das razões que nos obrigam a aconselhar o não uso de bebidas alcoólicas enquanto conduzem”, afirmou. Flávio Armando assegurou que a segurança rodoviária e o combate à sinistralidade nas estradas deixaram de ser apenas preocupação e obrigação do Executivo e em particular da Polícia Nacional, através da Direcção Nacional de Viação e Trânsito. Esclareceu que o fenómeno passa a ser uma responsabilidade social.
“Os automobilistas devem ter uma perfeita noção da enorme desproporção existente entre o veículo que conduz e os motociclistas e peões, se tivermos em conta a grande agressividade destas máquinas, que se reflecte na fragilidade das outras pessoas que utilizam a via pública, colocando em risco a sua integridade física”, concluiu.

Tempo

Multimédia