Províncias

Alunos privados de aulas por falta de professores

Henrique Júnior | Viçosa

Alunos do ensino primário da aldeia Muhombo, comuna de Viçosa, município do Dange Quitexe, província do Uíge, tiveram as aulas interrompidas durante o primeiro trimestre deste ano, por falta de professores, disse ao Jornal de Angola o administrador comunal.

Há cinco anos a comuna de Viçosa beneficiou da instalação de postes de iluminação pública que era alimentada através de painés solares
Fotografia: Eunice Suzana |

Tiago Nunes informou que foram tomadas medidas administrativas para corrigir a falha cometido pela repartição municipal da Educação, na planificação dos recursos humanos que devem ser distribuídos às escolas que funcionam na comuna, e disse esperar que, nos próximos concursos públicos, os responsáveis do sector da Educação na província tenham em conta o preenchimento de vagas no ensino primário.
“Verificámos que existe maior vontade de serem preenchidas as vagas do I e II ciclo, facto que está a provocar um défice no ensino primário. Estamos a ficar com um défice na formação de base. Por isso, acho necessário que este quadro seja rapidamente invertido”, disse.
Outra preocupação manifestada pelo administrador tem a ver com a falta de salas de aulas na comuna. Tiago Nunes explicou que, além da escola do I e II ciclo, que funciona na sede comunal apenas três dias, nas 20 aldeias que compõem a localidade as escolas do ensino primário são insuficientes para dar resposta ao número de crianças fora do sistema normal do ensino.
No município existem poucas infra-estruturas escolares, o que, para o administrador, constitui uma dívida que a administração local tem para com a população. Na sede da comuna existe uma escola, no Bula Atumba outra e outra no Cauanga uma terceira. Perante este quadro, a administração municipal de Dange  Quitexe está a trabalhar no sentido de resolver esta situação.
 Para o presente ano lectivo, na comuna da Aldeia Viçosa foram matriculados dois mil alunos e as aulas são assegurados por 81 professores, 12 dos quais leccionam no II ciclo, 25 no I e 44 no ensino primário. A localidade necessita de, pelo menos, 16 docentes para o ensino primário. O número existem fica muito aquém das expectativas. Na comuna, o processo de ensino de adultos em curso no pais está a ser desenvolvido lentamente, devido à falta de alfabetizadores.
Por exemplo, na aldeia Quimbundo, mais de 20 adultos manifestaram interesse em frequentar aulas de alfabetização mas, por falta de alfabetizadores, o subsistema ficou estacionário.
Na aldeia Cauanga apenas funcionam duas turmas de alfabetização, insuficiente para dar responsa as inúmeras solicitações. No Bula Atumba e Quihinga as aulas caminham a bom ritmo. A energia e água continuam a ser outra grande preocupação da população.

Água potável


O administrador garantiu dar solução ao caso, mas lembrou que o sistema de distribuição de água potável, construído há anos, já não funciona. Acrescentou que a obra foi mal executada, porque o empreiteiro deixou de fazer os trabalhos de ampliação do reservatório de água, e de melhorias do sistema de bombeamento. Tiago Nunes referiu que, depois de corrigidas as falhas, o tanque passou a acumular mais água para ser distribuída à população, mas a água deixou de ser bombeada devido à avaria registada no gerador.
“A água constitui um grande problema para esta comunidade. Todos os chafarizes deixaram de brotar água das suas torneiras e a população voltou a percorrer grandes distâncias em busca de água nos rios e lagoas”, frisou.
Em 2008, a comuna beneficiou da instalação de postes de iluminação pública que era alimentada através painéis solares, mas actualmente necessita de trabalho de manutenção nos equipamentos. Enquanto aguardam, a população vive à luz de velas e candeeiros para iluminar as cubatas à noite, ou ainda de pequenos geradores.

Saúde com bons resultados


A rede sanitária da Aldeia Viçosa é composta por um centro de saúde que funciona na sede comunal e postos de saúde localizados na regedoria do Cólua e do Quihinga.
Os serviços médicos são assegurados por oito enfermeiros. Na aldeia de Quimufuque não existe serviço de saúde, mas o administrador garantiu que, com base no programa da administração municipal, vai ser construído na localidade um posto de saúde.
Aldeia Viçosa fica a cerca de 27 quilómetros da sede municipal do Dange Quitexe e 67 da cidade do Uíge. Possui uma população calculada em 5.191 habitantes, distribuída por 20 aldeias e cinco regedorias, que na sua maioria se dedica ao cultivo da mandioca, jinguba, banana, café, abacaxi, ananás, jinguenga, pevide, citrinos e horticulturas.

Tempo

Multimédia