Províncias

Aumenta no Uíge produção agrícola

José Bule|Uíge

O director da Agricultura no Uíge, Eric Lussoiki, afirmou, ontem, que a província já está a produzir hortícolas suficientes para o consumo da população e que anteriormente eram provenientes da capital do país. Em 2010, salientou, o sector agrícola teve um desempenho positivo, graças ao trabalho dos agricultores, cujos resultados são visíveis.

Uma zona agrícola do Uíge cujo sector teve um desempenho positivo no ano passado e conta com centenas de associações
Fotografia: Manuel Distinto | Uíge

O director da Agricultura no Uíge, Eric Lussoiki, anunciou, ontem, que a província já está a produzir hortícolas suficientes para o consumo da população que anteriormente eram provenientes da capital do país.
Eric Lussoki disse que, em 2010, o sector agrícola teve um desempenho positivo, graças ao trabalho dos agricultores e os resultados são visíveis.
“Temos hortícolas em quase todos os mercados. Isso é muito positivo, em função do aumento das associações de camponeses e cooperativas. Actualmente, contamos com 776 associações e 11 cooperativas”, referiu.
Em relação ao programa de combate à fome e à pobreza, Eric Lussoki informou que o governo apoiou os criadores de gado e mais de 700 pescadores artesanais, distribuídos em 36 associações e seis cooperativas de pescadores, com embarcações, artes de pesca e motociclos, para facilitar o transporte do peixe do local de pesca até aos mercados.
 “As administrações municipais receberam tractores com alfaias, para desenvolver a actividade agrícola nos 16 municípios da província. Com esses meios, a agricultura na província deixa de ser manual e passa a ser mecanizada, facto que deve contribuir para o desenvolvimento acelerado da província”, disse Eric Lussoki.
O director da Agricultura no Uíge disse que em 2010 foram legalizados dois mercados de café, um no Songo e outro no Mucaba, nos quais os cafeicultores comercializaram mais de 1.500 toneladas de café mabuba.
O mau estado das vias de acesso, em alguns municípios da província, está a dificultar o processo de escoamento dos produtos cultivados na região.
O responsável da Agricultura sublinhou que este ano, 5.500 camponeses vão beneficiar de crédito e o processo está bem avançado porque “todos os documentos já foram enviados para o banco”, declarou.
Para 2011, Eric Lussoki aposta na continuidade dos Programas de Fomento da Bovinicultura e da Caprinicultura e de acções de sensibilização aos fruticultores, para apresentarem projectos de desenvolvimento ao governo, na perspectiva de transformar as frutas produzidas na região.
A mandioca, feijão, amendoim, banana e abacaxi são os produtos mais cultivados na região. 

Tempo

Multimédia