Províncias

Aumentam os alunos nas escolas da Damba

António Capitão | Damba

O número de crianças e jovens que entraram para o ensino no município da Damba, província do Uíge, aumentou mais de 53 por cento desde 2009, revelou ao Jornal de Angola o chefe da Repartição de Educação.

Mais crianças ingressam no ensino no Uíge
Fotografia: António Capitão

Manuel Lutumba sublinhou que o crescimento se deve, principalmente, à construção de mais escolas e ao enquadramento de mais professores, referindo que em 2009 estiveram matriculados nas escolas primárias, no I e II ciclos, mais 9.050 alunos, no ano seguinte 10.772, em 2011 mais de 12.350 e no ano passado 13.180.
Para este ano lectivo, foram matriculados mais de 14.580 alunos e as autoridades locais pretendem cada vez mais alargar a rede escolar, para aumentar significativamente o número de alunos que ainda se encontram fora do sistema de ensino.
Em 2009 existiam apenas 129 salas e este ano o número subiu para  202, enquanto o número de professores passou de 358 para 486.
Prevê-se que no próximo ano lectivo o número de crianças a inserir no sistema de ensino vai aumentar, com a abertura de escolas de seis salas cada, nas localidades de Caboco, Tema e Soba Nanga, cujas obras se encontram numa fase avançada.
Uma outra escola de quatro salas está a ser erguida na localidade de Mbanza Quinzau. No próximo ano, a localidade vai contar com 22 salas, de modo a permitir o ingresso de mais de 1.900 novos alunos.
Em 2012, pelo menos 1.230 adultos frequentaram as aulas de alfabetização no município da Damba, mas este ano ainda há pessoas a fazê-lo, devido ao processo de revitalização e aceleração escolar que está a ser desenvolvido pela direcção Provincial da Educação.
Manuel Lutumba lamentou a falta de salas para albergar este subsistema de ensino que impede o aumento de alunos nos módulos 1, 2 e 3 e garantiu a distribuição gratuita de livros em todas as escolas do ensino primário da Damba, enquanto para os I e II ciclos os professores são levados a elaborar fascículos para a consulta dos alunos, por falta de manuais. “Os estudantes das escolas do I e II ciclos do ensino secundário apenas recebem livros de línguas estrangeiras, enquanto para as outras ciências dependem de compêndios feitos pelos professores ou adquirem os livros nos mercados”, explicou.
Manuel Lutumba anunciou a criação de uma sala com 30 computadores ligados à Internet para facilitar as pesquisas dos estudantes e os trabalhos individuais ou colectivos, o que vai colmatar a falta de bibliotecas e manuais do I e II ciclos do ensino secundário.
“Está em estudo o local onde vão ser instalados os equipamentos informáticos que recebemos de uma associação filantrópica alemã”, garantiu Manuel Lutumba.

Merenda escolar

O número de crianças que beneficiavam do programa de merenda escolar diminuiu no município da Damba devido à escassez de recursos financeiros para a sua aquisição, disse o chefe da Repartição da educação.Nesta altura, apenas 1.470 crianças, dos mais de 11 mil que estavam abrangidas no projecto, recebem merenda escolar.
“Com esta redução do número de crianças beneficiárias da merenda escolar podemos assistir a uma queda nos índices de aproveitamento no final do ano lectivo, porque este programa é um forte incentivo à permanência das crianças nas escolas”, disse a responsável, garantindo que o projecto vai continuar.

Tempo

Multimédia