Províncias

Autoridades apostam forte na agricultura

António Capitão | Uíge

As autoridades administrativas do município do Bungo, cerca de 68 quilómetros da cidade do Uíge, que completa amanhã 104 anos da sua fundação, estão fortemente empenhadas em desenvolver e financiar acções visam fomentar a actividade agrícola com a aquisição e distribuição de imputes e insumos às associações, cooperativas e famílias.

Bungo prepara condições para relançar a agricultura
Fotografia: António Capitão | Edições Novembro

O administrador municipal do Bungo, Panzo Joaquim, disse que nos planos de acção a serem desenvolvidos neste ano e em 2021, no âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP), os investimentos deixaram de ser maioritariamente orientados para a construção e reabilitação de infra-estruturas para serem também canalizados para o sector da agricultura.

“Estamos a deixar de olhar apenas para a construção e reabilitação de infra-estruturas. Começámos com o processo, prestando maior atenção e apoio ao sector agro-pecuário, para o aumento da produção agrícola, potenciar as cooperativas e associações de camponeses e promover a agricultura familiar, fazendo com que mais pessoas tenham fontes próprias para o sustento”, disse.

Panzo Joaquim sublinhou que vários projectos ligados ao sector têm sido monitorados pela administração municipal que também tem garantido vários apoios.

Os incentivos ao sector tiveram como ponto de partida a lavoura, neste ano, de 100 hectares de terra que foram distribuídas a uma associação de camponeses constituída por ex-militares e a várias famílias vulneráveis.

Para o próximo ano, mais 85 hectares aráveis serão entregues aos camponeses do município, dos quais, em 65 hectares, já começaram os trabalhos de lavoura mecanizada para beneficiarem famílias camponesas e associações de camponeses das aldeias Kungo, Quipaxe, Quiputo, Hinda e Lukunga.

“É nossa aposta continuar a investir na agricultura por ser a base fundamental para a diversificação da economia e desenvolvimento desta região. Vamos também formar camponeses com novas técnicas de cultivo de diversas culturas, mecanizar a actividade e adquirir mais sementes e equipamentos de trabalho para que no próximo ano os agricultores possam produzir mais e tenham excedentes para comercializarem”, prometeu.

Regedor
O regedor da regedoria Lukunga, Gomes Caxito, destacou a aposta da administração municipal no sector da agricultura. Disse que a região possui potencialidades que, se forem feitos investimentos significativos, neste sector, pode-se alavancar a economia, potenciar as famílias e criar muitos postos de trabalho.
O soba Gomes Caxito defendeu a necessidade de o investimento no sector da agricultura, além da mecanização da actividade produtiva, ser também acompanhado com a reabilitação das vias de acesso às regedorias do Mbanza Polo, Mulamba II, Quiuqueque, Gombe, Calundembe, e Mbanza Congo, para garantir o escoamento da produção para os principais centros de comercialização.
“Nesta região existem potencialidades para o cultivo em grande escala de batata-doce e rena, banana, feijão, jinguba, mandioca, inhame, outros tubérculos e hortaliças. Os camponeses e associações de camponeses estão decididos a produzir mais e esperam que as autoridades apoiem com a mecanização da actividade”, declarou.

 

Tempo

Multimédia