Províncias

Bairro do Candombe já tem energia e água

António Capitão | Uíge

O bairro do Candombe Novo, na cidade do Uíge, passa a dispor de 20 novos chafarizes e de energia eléctrica, produzida pela barragem hidroeléctrica de Capanda, soube ontem o Jornal de Angola de uma fonte da administração municipal.

Executivo está empenhado na concretização de vários projectos sociais para a melhoria das condições de vida das populações
Fotografia: António Capitão | Uíge

O bairro do Candombe Novo, na cidade do Uíge, passa a dispor de 20 novos chafarizes e de energia eléctrica, produzida pela barragem hidroeléctrica de Capanda, soube ontem o Jornal de Angola de uma fonte da administração municipal.    
Os novos investimentos, inseridos no Programa de Investimentos Públicos, permitiram as ligações domiciliares, assim como a instalação de diversos postos de iluminação pública no bairro do Candombe Novo, um dos mais populosos da capital da província do Uíge.
Juliana Quiala, moradora do bairro Candombe Novo, satisfeita, disse que com a energia eléctrica e a água ficou para trás o sofrimento desta população, que se via obrigada a percorrer longas distâncias na busca do precioso líquido nos rios ou cacimbas e que estavam sujeitos a contrair certas doenças.
 “É uma grande satisfação acarretar a água próximo de casa, sobretudo por se tratar de um produto em condições perfeitas para o nosso consumo”, disse.
Paulo Miguel, um dos mais antigos moradores deste bairro que surgiu na década de 90, revelou que sempre acompanhou o sofrimento e o sacrifício da esposa e filhos para conseguirem obter a água, mas notou que nunca perdeu a esperança de ver melhorada a vida de milhares de moradores do Candombe Novo.
O morador destacou o esforço do Executivo na aplicação de projectos para a melhoria das condições de vida das populações, através dos Projectos de Investimentos Públicos (PIP), de combate à fome e à pobreza e outros que têm permitido a construção de mais escolas, hospitais, sistemas de abastecimento de água potável, fornecimento de energia eléctrica e o fomento da agricultura. “Nos bairros e aldeias já foram construídas muitas salas, permitindo que as crianças estudem em melhores condições.Temos  postos de saúde que prestam os primeiros cuidados às populações”, salientou Paulo Miguel.
Bundo Mendes, 21 anos de idade, não arriscava no passado andar à noite pelas ruas do bairro por temer assalto dos malfeitores que se aproveitavam da escuridão para realizarem as suas acções maliciosas.
Bundo Mendes conta que agora as ruas estão iluminadas e os moradores também colocaram lâmpadas nos quintais, o que tem permitido maior visibilidade até nos becos, o que faz com que haja pouca possibilidade de os marginais realizarem assaltos. Com a instalação de postos de transformação (PT) foi possível melhorar a rede energética de iluminação pública e domiciliar no bairro Candombe Novo.
Alice Silva, também moradora, valorizou o trabalho feito e afirmou que com este esforço do Executivo a população beneficiada tem de ficar vigilante para os bens serem conservados e preservados.
A jovem lembra o quanto foi difícil viver sem energia eléctrica e sublinha que no passado, para ver televisão, tinha de percorrer um quilómetro até à casa da irmã, no bairro Candombe Velho.
“Hoje, felizmente, já não é necessário ir para lá. Posso ver todos os programas que eu quiser na minha casa. Também já posso conservar na arca peixe, carne, frango e outros legumes”, disse satisfeita.

Apelo de Pombolo

O governador provincial do Uíge apelou à população do bairro Candombe Novo a preservarem os equipamentos instalados naquela circunscrição, com vista a permitir que todos beneficiem desses serviços por mais tempo.
Os serviços estão à disposição da população, disse, acrescentando que estes devem ser utilizados de forma racional, cumprindo os pagamentos das tarifas a serem cobradas, para o garante da rentabilização dos investimentos feitos e a consequente manutenção.
“Não é benéfico que o governo e a administração municipal façam investimentos que obrigam à aplicação de grandes valores monetários e depois apareçam pessoas sem escrúpulos a vandalizarem ou estragarem os mesmos. Todos devem comportar-se como verdadeiros fiscais destes bens”, apelou.

Tempo

Multimédia