Províncias

Bairro Mbemba Ngango tem centro infantil

Nicodemos Paulo | Uíge

As crianças do bairro Mbembe Ngango, na província do Uíge, passaram a ter mais um espaço de convívio, com a inauguração de um centro infantil da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos.

Edifício foi financiado pela petrolífera BP
Fotografia: Filipe Botelho | Uíge

Construído de raiz, o edifício de um piso dispõe de oito salas, uma papelaria para venda de material escolar, adornos sagrados, área administrativa, biblioteca, sala de leitura e de informática, com 15 computadores instalados.
O centro tem capacidade para acolher 130 crianças, dos zero aos cinco anos. O governado do Uíge, que inaugurou o centro, reafirmou a contínua abertura do Governo Provincial no apoio aos vários projectos sociais e considerou a Igreja Católica como um dos parceiros privilegiados do Estado.
Paulo Pombolo aconselhou as demais organizações da sociedade civil a criarem projectos que beneficiem as crianças, embora tenha admitido que formar menores e prepará-los para o amanhã, com todos os desafios que a vida oferece, não é tarefa fácil.
O frei Afonso Nteca, superior da Ordem dos Padres Capuchinhos em Angola, disse que com a abertura do centro, os frades vão poder contribuir de forma eficiente na preparação das crianças em idade pré-escolar.
“O centro vai prestar um serviço de assistência infantil, através de um rigoroso trabalho pedagógico, e espera poder ajudar as crianças a desenvolverem as suas capacidades cognitivas e motoras, transmitindo conhecimentos elementares para serem bem sucedidas na escola”, esclareceu.
 Ao referir-se à sua congregação, salientou que ela tem adaptado, nos últimos anos, a actividade à nova realidade social do país e solicitou mais apoios do Estado e de outros agentes sociais, para o desenvolvimento de mais projectos voltados para a formação das crianças.
Paulo Pizarro, representante da empresa petrolífera BP e Associados do bloco 15, que financiou o projecto, garantiu a sua disponibilidade no apoio às iniciativas que impulsionam o processo de reconstrução do país, como escolas, hospitais, lares da terceira idade e formação de quadros.
 “Patrocinar a construção deste centro foi, para nós, uma grata tarefa, porque vai beneficiar as crianças cujos pais, despreocupados com os pequeninos, vão melhorar a sua produtividade nos respectivos locais de trabalho, por saberem que os filhos estão em boas mãos”, adiantou.
O pároco da Igreja da Nossa Senhora de Fátima no Uíge, frei Cândido Alberto, referiu que com a construção do centro infantil as mães têm mais um local para confiar a guarda dos seus filhos, durante o tempo em que permanecem nos locais de trabalho ou nas escolas, e permitir o seu crescimento num ambiente colectivo e com elevados valores morais e cívicos.
“Pretendemos cobrir a lacuna existente na cidade do Uíge em relação aos centros infantis, para que possamos contribuir para o resgate dos valores humanos em decadência na sociedade”, referiu, garantindo que o Centro Infantil da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos vai proporcionar especial atenção a cada criança matriculada na instituição, para que tenha um tratamento idêntico ao prestado pelos pais.
Para assegurar o funcionamento da instituição, vão ser seleccionados indivíduos com perfil e capacidade técnica adequados para trabalhar com crianças, explicou.
Assistiram à inauguração do novo centro infantil, o bispo da Diocese do Uíge, D. Emílio Sumbelelo, e o bispo emérito D. Francisco da Mata Mourisca, membros do Governo Provincial e a população em geral.

Tempo

Multimédia