Províncias

Balcão da Segurança Social no Negage

António Capitão | Negage

Os serviços do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), no Negage, têm novas instalações, que acabam de ser inauguradas.

Pensionistas têm agora a possibilidade de levantar os seus subsídios de forma mais cómoda
Fotografia: António Capitão

Os serviços do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), no Negage, têm novas instalações, que acabam de ser inauguradas.
No novo edifício funciona uma agência do Banco de Poupança e Crédito (BPC) e um centro de empreendedorismo. As instalações foram inauguradas pelo vice-ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social, Sebastião Lukinda, que estava acompanhado pelo vice-governador para o sector Técnico e infra-estruturas, Afonso Luviluko.
O vice-governador inaugurou também o centro de empreendedorismo e a agência do BPC, instalados no mesmo edifício. Afonso Luviluko referiu que a agência bancária, a segunda no município, vai permitir que mais pessoas efectuem as suas transacções financeiras de modo cómodo e célere.
“São serviços que vão facilitar a vida de muitas pessoas e permitir que as entidades empregadoras depositem as suas contribuições no mesmo edifício, logo que entreguem as declarações no INSS.
Os pensionistas também têm agora a possibilidade de levantar os seus subsídios de forma mais cómoda”, disse. O vice-ministro Sebastião Lukinda informou que esta acção faz parte do programa do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social, que visa a criação dos serviços municipais de Segurança Social, em todas as províncias, para aproximá-los cada vez mais das populações.
A área de Segurança Social do município do Negage vai permitir solicitar cartões de assegurados, declarações para bancos, depositar folhas de remunerações, inscrições e outros serviços.

Apoio ao  empreendedorismo

Durante cinco dias, 150 jovens da província receberam formação em gestão de pequenos negócios. A acção foi promovida pela incubadora de empresas do MAPESS, cujo objectivo é incentivar a criação de micro e médias empresas.
A acção visa ainda a redução do índice de desemprego e pobreza a nível das comunidades, como referiu o director da incubadora de empresas do MAPESS, Jacinto Domingos. Dos jovens formados, 80 já receberam financiamento no Banco Sol, através do programa “Micro Crédito Amigo”. Os valores concedidos variam entre os 50 mil e 500 mil kwanzas.
Os jovens formados receberam ainda ferramentas de trabalho para canalização, electricidade, carpintaria, culinária, corte e costura.

Tempo

Multimédia