Províncias

Casas do Bungo têm primeiros moradores

Joaquim Júnior | Bungo

As primeiras casas concluídas no âmbito do Programa de Construção de 200 Fogos Habitacionais no município do Bungo, província do Uíge, foram distribuídas aos seus inquilinos, numa cerimónia orientada pelo vice-governador para o sector Técnico e Infra-estruturas.

As primeiras casas concluídas no Bungo no âmbito do Programa de Fomento Habitacional foram já entregues aos seus proprietários
Fotografia: Eunice Suzana|Uíge

Afonso Luviluco entregou as chaves de 50 residências do tipo T3 a igual número de beneficiários, que vão pagar, através de renda resolúvel, durante 25 anos. Os inquilinos pagam 11.500 kwanzas por mês. Cada uma das residências ocupa uma área de 100 metros quadrados e comporta varanda, sala comum, cozinha, três quartos e uma casa de banho.
Localizadas na vila municipal do Bungo, as residências compõem um novo bairro e já têm energia, fruto da instalação de painéis solares, e água potável.
Afonso Luviluco disse que o acto de entrega de residências tem lugar numa altura em que o país comemora 13 anos de Paz e de Reconciliação Nacional.
“Este projecto foi possível graças à Paz alcançada a 4 de Abril, que permitiu ao Executivo traçar programas habitacionais em benefício das populações. Os felizes beneficiários dispõem de um bom bairro moderno para viver. Mas devem saber cuidar das moradias se quiserem continuar a viver confortavelmente”, aconselhou.
O bairro que começa a ser habitado faz parte de um projecto que contempla a construção de 200 casas. Numa primeira fase foram construídas apenas 100, das quais 50 foram entregues aos beneficiários, enquanto as restantes estão disponíveis aos interessados nos próximos dias. “Recomendamos aos beneficiários no sentido de cuidarem bem do bairro e das suas residências. Para tal, os ocupantes devem eleger uma comissão de moradores para cuidarem da organização e saneamento do bairro”, referiu.
O vice-governador aconselhou os moradores a plantarem árvores ao redor do bairro, para travar os ventos fortes, visto que as residências foram construídas numa zona aberta e sujeita a tempestades. A administradora municipal do Bungo, Helena Antunes, disse que a entrega de habitações aos jovens, sobretudo aos funcionários públicos, cria condições para reter os quadros que prestam serviços em diferentes áreas de desenvolvimento do município.
“Os nossos olhos enchem-se de orgulho porque os feitos do Governo, dentro deste programa específico de habitação para o município do Bungo, está praticamente concretizado. Este é um ganho da Paz e o povo agradece”, referiu. Um dos beneficiários, Felipe Pungo, de 30 anos, diz que trabalhava e vivia há anos na vila do Bungo, numa casa arrendada e sem as mínimas condições. Mas agora, com a nova casa, o jovem disse à reportagem do Jornal de Angola que realizou o sonho de casa própria, cujas condições deixam radiante a esposa e os seus três filhos.
“Sinto-me feliz. Era importante ter uma casa própria”, disse. Felipe Pungo valorizou o programa de construção de residências no Bungo.
“Este projecto de construção de residências implementado pelo Governo vai facilitar a vida dos cidadãos”, afirmou.

Distribuição de terrenos

Afonso Luviluco procedeu ainda à entrega de 100 lotes de terrenos para autoconstrução dirigida. A maioria dos beneficiários é constituída por jovens que solicitaram à Administração Municipal do Bungo espaços para erguerem as suas moradias. Os terrenos, repartidos em seis parcelas de sete lotes de 20 a 30 metros quadrados cada, localizam-se numa área com mais de 400 metros quadrados, preparados pela Administração Municipal.
O vice-governador Afonso Luviluco pediu aos jovens no sentido de trabalharem em estreita colaboração com a Administração Municipal e outros organismos que velam pela urbanização e construção, no sentido de erguerem moradias com plantas bem projectadas e devidamente dirigidas.
“Todos os cidadãos que não construírem durante um período de três anos perdem os terrenos, que são revertidos à Administração Municipal, para que sejam atribuídos a outros habitantes interessados”, alertou.

Tempo

Multimédia