Províncias

Centro de Telemedicina para consultas à distância

NICODEMOS PAULO | Uíge

A Universidade Kimpa-Vita vai instalar, brevemente, um Centro de Telemedicina que vai ser agregado ao curso superior de Enfermagem, disse na terça-feira a directora da referida instituição académica, Maria de Fátima.  

Estudantes do curso de Enfermagem estão satisfeitos pela montagem do equipamento
Fotografia: Felipe Botelho

A Universidade Kimpa-Vita vai instalar, brevemente, um Centro de Telemedicina que vai ser agregado ao curso superior de Enfermagem, disse na terça-feira a directora da referida instituição académica, Maria de Fátima.  
Falando na abertura das I Jornadas Técnicas de Enfermagem, em saudação ao Dia Internacional da Enfermagem assinalado ontem, referiu que instalação do equipamento visa facilitar o tratamento de doentes que residem nos municípios mais distantes da cidade do Uíge, onde funciona o hospital central da província. O projecto de Telemedicina, segundo Maria de Fátima, está a ser implementado em parceria com a Universidade de Lousiana, nos Estados Unidos, governo provincial do Uíge e Universidade Kimpa-Vita. O equipamento vai ajudar a minimizar a falta de médicos, tendo em conta a instalação de aparelhos de transmissão de imagem e som, em tempo real, para que um grupo de médicos que esteja, por exemplo, numa localidade distante daquela em que se encontra o doente, possa realizar consultas e fazer a prescrição médica.
“Este é um dos nossos grandes projectos, visto que a falta de médicos e as distâncias entre as aldeias e os grandes hospitais tem provocado constrangimentos na região. Portanto, é com este propósito que a Universidade Kimpa-Vita, além de formar enfermeiros, quer dar o seu contributo neste campo”, disse a directora.  Além disso, adiantou que a criação de um jardim botânico e de uma fazenda experimental, para assegurar as aulas práticas dos estudantes de agronomia, e de um laboratório de enfermagem, estão entre as prioridades da direcção da instituição.
“Queremos que os nossos estudantes comecem, deste o princípio, a ter aulas práticas, razão pela qual está em curso a criação de condições técnico-práticas para que não falte nada aos nossos estudantes”, referiu.
 O vice-reitor da Universidade Kimpa para os Assuntos Científicos, Heitor Timóteo, disse, na mesma ocasião, que as Jornadas Técnicas de Enfermagem, que decorreram entre terça-feira e ontem, devem ser o pilar da sustentabilidade de uma Universidade, como paradigma do conhecimento, uma vez que, segundo o académico, o exercício da enfermagem engloba outros padrões de conhecimento.
 “O enfermeiro deve ser responsável pela promoção, prevenção e recuperação da saúde do indivíduo dentro da família e da comunidade, pois a enfermagem vê a pessoa como um ser total, que tem um passado, futuro, crenças e valores que influenciam o seu estado de saúde. É a partir daí que esta ciência não se fecha, antes se abre a outros saberes, através da troca de experiências”, afirmou.
Teresa Varela, em nome dos estudantes, manifestou entusiasmo e dedicação durante o decorrer das jornadas, tendo solicitado o apoio de todas as forças vivas da província, para que aos estudantes nada falte e assim influenciarem na qualidade do ensino.
 “Queremos pedir ao governo e ao empresariado local para ajudarem a equipar com meios técnicos e financeiros esta instituição, para que a sua actividade seja coroada de êxitos”, disse.
Pelo menos 994 estudantes estão matriculados na Escola Superior Politécnica do Uíge, nos cursos de Contabilidade e Gestão, Engenharia Informática, Engenharia Agrária e no curso superior de Enfermagem. As I Jornadas Técnicas de Enfermagem decorreram sob o lema “Enfermeiro Trabalhando por Uma Comunidade Sadia”.

Tempo

Multimédia