Províncias

Centro infantil dá apoio a milhares de crianças

António Capitão | Uíje

O Centro Materno Infantil do bairro da Pedreira, no município do Uíje, tem sido a tábua de salvação para muitas mulheres grávidas e mães que procuram assistência médica para os filhos, fugindo às enchentes da maternidade e pediatria do Hospital Provincial do Uíje.

Grávidas recorrem cada vez mais aos centros materno infantis para receber assistência pré e pós natal no Uíje
Fotografia: Manuel Distinto

O Centro Materno Infantil do bairro da Pedreira, no município do Uíje, tem sido a tábua de salvação para muitas mulheres grávidas e mães que procuram assistência médica para os filhos, fugindo às enchentes da maternidade e pediatria do Hospital Provincial do Uíje.
Madalena Virgílio, chefe da secção de maternidade do Centro Materno Infantil da Pedreira disse à nossa reportagem que, nos últimos meses, muitas parturientes provenientes de diversos bairros do município do Uíje receberam assistência médica e medicamentosa naquela unidade sanitária. “Até mesmo algumas parturientes que vivem próximo do Hospital Provincial procuram os nossos serviços”, argumentou.
Madalena Virgílio reconheceu que o número elevado de grávidas que optam por realizar o parto na maternidade do centro da Pedreira, começa a ser preocupante, tendo em conta a fraca capacidade de resposta. “Nós estávamos a realizar 70 partos por semana. Mas a Direcção Provincial de Saúde decidiu que todas as mulheres que realizam o parto pela primeira vez devem se internadas na maternidade do hospital provincial”, disse Madalena Virgílio.
Para descongestionar as camas, Madalena Virgílio explica que “as parturientes que tiverem um parto normal e o seu quadro clínico for aceitável entre às 08h00 e as 17h00, recebem alta, para deixar a cama para a outras”.
De acordo com os dados estatísticos apresentados pela catalogadora do Centro Materno Infantil, Cristina Bunga, de Janeiro a Outubro nasceram 655 crianças. No mesmo período, pelo menos 8.804 crianças até aos cinco anos beneficiaram de tratamento médico na secção de pediatria e 4.907 mulheres dos 14 aos 45 anos realizaram consultas de pré-natal. Os serviços de assistência médica no Centro Materno Infantil da Pedreira são assegurados por 26 enfermeiros e dois médicos especializados em pediatria e ginecologia.
 De acordo com o chefe do Centro Materno Infantil da Pedreira, Nguemba Mabanzila, o centro presta serviços de pediatria, puericultura, maternidade, laboratório, consultas de pré-natal e consultas externas. No laboratório, onde funcionam dois técnicos, são feitos exames de gota espessa, velocidade sanguínea, urina, fezes e secreção vaginal.
Nguemba Mabanzila caracterizou normal o funcionamento do centro que dirige. Mas está preocupada com a irregularidade no abastecimento de medicamentos à unidade. “O laboratório de análises clínicas, que esteve parado algum tempo, voltou a trabalhar, e o problema da ambulância já foi solucionado. Mas estamos preocupados porque de alguns meses a esta parte não somos reabastecidos com medicamentos”, disse.
O chefe do centro referiu que os pacientes são obrigados a usar fundos próprios, para comprarem os medicamentos às farmácias”, frisou.
 
Falta de camas
 
A secção de pediatria do Centro Materno Infantil da Pedreira tem poucas condições para garantir o internamento das crianças que se apresentem em estado grave.
Isabel Catumua, responsável da pediatria, sublinha que nos casos críticos o paciente é transferido para a pediatria do Hospital Provincial.“Recebemos diariamente 40 crianças para consultas médicas 40. No centro funciona um médico pediatra. Muitas mães dos bairros Pedreira, Piscina, Cacole, Capote e Tange e até do centro da cidade recorrem aos nossos serviços. Nesta altura, lamentamos a falta de condições para garantirmos o internamento dos doentes”, afirmou.
A malária, as bronquites, diarreias, infecções da pele, doenças respiratórias agudas e infecciosas são as mais frequentes.
Teresa Mateus, responsável da secção de consultas de pré-natal, área que assegura a saúde reprodutiva das mulheres durante a gravidez, valoriza a afluência das grávidas às consultas: “as mulheres já começam a ganhar o hábito de controlarem o desenvolvimento dos fetos”.
A enfermeira apelou às mães jovens para irem às consultas de pré-natal, logo que se apercebam que estão grávidas, para que os bebés nasçam saudáveis e as mães tenham um parto normal e seguro.
“As grávidas, quando chegam ao centro, antes de serem encaminhadas para o consultório, recebem informações sobre a higiene durante a gravidez, o planeamento familiar, aleitamento materno, entre outras informações”, disse Teresa Mateus.
 
Prevenção da malária

 
O médico Arnaldo Gaspar trabalha com dois enfermeiros nas consultas externas. O especialista aponta a época das chuvas como factor relevante para o aumento de casos de malária sobretudo em crianças até aos cinco anos.
De acordo com o médico pediatra, nesta época é notória a existência de charcos e a acumulação de lixo em vários lugares, permitindo a reprodução de mais mosquitos que são os vectores da doença. “Aconselho as mamãs e as crianças a terem mais cuidado com a conservação do lixo nas casas, evitar deitar água em locais impróprios, porque são focos de mosquitos e aumentam os casos de malária que provocam a morte de muitas crianças”, afirmou.
O uso constante do mosquiteiro impregnado foi considerado pelo médico como sendo a forma mais segura para assegurar a prevenção da doença.
 
Falta de técnicos
 
O Centro Materno Infantil da Pedreira regista uma afluência diária de 300 utentes de pediatria, puericultura, maternidade, laboratório, consultas de pré-natal e consultas externas. Por isso, Nguemba Mabanzila diz que a unidade necessita de mais técnicos de saúde. O chefe do Centro Materno Infantil da Pedreira lamenta que os 26 enfermeiros e dois médicos que funcionam na unidade sanitária são insuficientes para se desdobrarem no atendimento dos utentes.
Segundo o enfermeiro-chefe, para um funcionamento eficaz e prestação de serviço de qualidade, são necessários pelo menos mais 25 enfermeiros e dois médicos obstetras.
 “Ainda não possuímos um sistema de internamento adequado. Gostávamos de ter um espaço maior na maternidade e novas salas de internamento para internarmos os pacientes que precisam de mais cuidados médicos”, concluiu.  
A maternidade da Pedreira tem duas salas de internamento com 15 camas, para o acompanhamento médico das parturientes no período pós-parto. O espaço é considerado insuficiente pela chefe da maternidade porque faz diariamente entre 15 a 17 partos.

Tempo

Multimédia