Províncias

Circulação em Mbemba Ngango mais difícil

Valter Gomes | Uíge

Está cada vez mais difícil circular na rua "A", da "Zona 1", do bairro Mbemba Ngango, arredores da cidade do Uíge. Os buracos são enormes e o asfalto aplicado nos últimos dois anos já não existe. A situação preocupa automobilistas e moradores.

Automobilistas enfrentam grandes dificuldades para circular pelas ruas do bairro Mbemba Ngango por causa dos buracos nas vias
Fotografia: Eunice Suzana|Uíge

Numa altura em que as chuvas caem com alguma intensidade sobre a região, na rua "A do Mbemba Ngango, principal porta de entrada e saída do centro da cidade, os buracos aumentam de tamanho e transformam-se em charcos ou ficam bastante lamacentos, tornando a circulação de viaturas e peões cada vez mais complicada. 
“Há dois anos fizeram aqui um trabalho paliativo que não teve grande durabilidade. A rua voltou a degradar-se bastante. O asfalto desapareceu completamente e os buracos enchem-se com água, impedindo a circulação normal de pessoas e viaturas”, disse o jovem Distinto Guilherme, morador da "Zona 1" do Mbemba Ngango.
Distinto Guilherme referiu que na época chuvosa a situação agudiza-se, porque as lagoas atingem o nível dos passeios.
José Almeida, outro morador, disse que a degradação da rua se alastra há mais de um ano e a população enfrenta várias dificuldades para circular. “Sou proprietária de uma viatura mas para chegar até à minha residência sou obrigado a dar uma grande volta, passando pelos bairros Dunga ou Catapa”, disse.Joaquim Artur, 34 anos, lamentou o facto e disse que os taxistas já não aceitam atravessar a rua, para proteger as molas ou amortecedores das suas viaturas.
 “O túmulo do soba Mbemba Ngango é agora a paragem obrigatória dos passageiros residentes nesta rua”.
O taxista Jorge Filipe disse que a degradação da estrada está a criar sérios embaraços aos utentes de via, mas acredita que com o início dos trabalhos de reabilitação de algumas ruas da cidade esta rua venha também a ser contemplada.
“Tenho a plena certeza que essa rua também será reabilitada. Mas é bom que isso aconteça num curto espaço de tempo”.
Vieira Faustino, chefe do quarteirão número um, disse que a falta de valas de drenagem em condições e as chuvas que se abatem insistentemente sobre a região estiveram na base da destruição rápida do tapete asfáltico aplicado há menos de três anos.
“Os nossos filhos estão a atrasar-se na escola porque os taxistas estão a fugir os buracos. É necessário que se faça alguma coisa para inverter o quadro, já que queremos ver a nossa rua bonita como as do bairro Popular".

Novo asfalto nas ruas
 
O Jornal de Angola constatou, por outro lado, que em algumas ruas da zona suburbana do Mbemba Ngango e do bairro dos Candeeiros recebem novo tapete asfáltico desde o passado mês de Julho.  Neste momento, a empresa contratada para o efeito, a construtora chinesa CRBC, está a desassorear as sarjetas e a construir lancis e passeios. Vieira Faustino apontou a falta de iluminação pública em algumas ruas do Mbemba Ngango como sendo outra das grandes preocupações que inquietam a população local.
Na calada da noite a zona fica transformada num centro de marginais, sendo as principais vítimas dos delinquentes os alunos nocturnos.
“Além da melhoria do tapete asfáltico queremos também que haja boa iluminação pública, porque os marginais já começam a ganhar o hábito de aguardar os munícipes nos becos ou nas imediações onde os carros não circulam devidamente”, concluiu.
No bairro Popular o quadro é completamente diferente.  Mais de quatro quilómetros de estrada foram reabilitados recentemente. A maior parte das ruas que se encontrava degradada já beneficiou de novo tapete asfáltico e, em breve, beneficiam da instalação de novos postes de iluminação pública, no âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP) do Governo Provincial do Uíge. Além da iluminação pública e asfaltagem das ruas, decorrem também obras de reparação da rede de esgotos. O objectivo é melhorar a passagem das águas residuais e pluviais.

Tempo

Multimédia