Províncias

Deficientes visuais criam pequenos negócios

Joaquim Júnior| Uíge

Deficientes visuais controlados pela Associação dos Cegos e Amblíopes de Angola (ANCAA) no Uíge vão, nos próximos dias, aprender a criar pequenos negócios para o seu auto-sustento, anunciou, na quarta-feira, naquela cidade,  o vice-presidente da organização.

As pessoas com deficiência visual precisam de ser bem guiadas para que se sintam parte integrante da sociedade razão pela qual está a ser realizado o curso de orientação e mobilidade
Fotografia: Eunice Suzana| Uíge

Ribeiro Manuel Bundo, que falava na abertura da formação dos professores que vão assegurar o projecto na província, referiu que a ANCAA tem gizado um conjunto de acções que visam beneficiar as pessoas com dificuldades de enxergar, cujo objectivo é melhorar a inserção social das mesmas.
No total são 12 professores que, em quatro dias, são capacitados em matérias de “Orientação e mobilidade”, “Empreendedorismo”, “Actividades da vida diária”, “Informática”, “Culinária”, “Reparação de máquinas”, entre outros temas. “A pessoa com deficiência visual precisa ser bem guiada para que se sinta parte integrante da sociedade, razão pela qual a ANCAA promove este curso de orientação e mobilidade, do segundo módulo, para capacitar recursos humanos que possam ajudar nos trabalhos que serão desenvolvidos na província a favor dos cegos”, disse o responsável.
Ribeiro Manuel Bundo recordou que a província do Uíge está sempre no centro das atenções da organização devido ao universo de necessitados, daí que, referiu, se está a desenvolver um outro projecto que vai permitir aos deficientes visuais aprenderem profissões de realização quotidiana.
O vice-presidente da ANCAA destacou o impacto do projecto ocular no hospital oftalmológico do Bungo, que assiste anualmente centenas de pacientes que padecem de cataratas e outras enfermidades oculares. Só no primeiro semestre deste ano, mais de 450 pessoas foram operadas.

Ensino especial

Ribeiro Bundo pediu às organizações filantrópicas e outras similares no sentido de estenderem a mão aos projectos da ANCAA, para o bem-estar deste grupo social.
O director provincial da Educação no Uíge, Manuel Zangala, elogiou o gesto da ANCAA, porque, no seu entender, vai ajudar a melhorar o funcionamento desse subsistema de ensino especial.
“A ANCAA tem sido um parceiro que tem auxiliado muito a província na assistência desta franja da sociedade que necessita, cada vez mais, destes serviços. Esperamos que os formandos acatem todas as metodologias ensinadas para que a formação seja reproduzida para outros orientadores nos municípios”, apelou. Um dos formadores, Salvador António, disse que os professores participantes a formação vão ter habilidades para utilizar e transmitir conhecimentos de “guia-vidente”, “técnicas de bengala” e outras práticas de extrema importância para as pessoas com deficiência visual, no seu processo de reabilitação.
Fernando Dala, representante da ANCAA no  Uíge, avançou que a província controla 350 pessoas que padecem de deficiência visual nos municípios do Bungo, Songo e Uíge, referindo que os professores que estão a ser capacitados para uma melhor intagirem.
Para além da orientação psicopedagógica vão, igualmente, ajudar no processo de cadastramento de todos os cegos espalhados pelos municípios da província.

Tempo

Multimédia