Províncias

Enaltecido papel do professor na sociedade

José Bule | Uíge

O vice-governador para o sector económico e produtivo do Uíge, Carlos Samba, considerou o professor um elemento preponderante na comunidade e ao mesmo tempo um agente activo, a julgar pelo papel que desempenha na sociedade.

Autoridades criam condições para que os professores desempenhem melhor o seu papel
Fotografia: Jornal de Angola

Carlos Samba, que falava no acto do Dia do Educador, no município de Sanza Pombo, disse que a data serve de reflexão sobre os principais problemas do sector.
“Precisamos de produzir muito mais, mas temos falta de quadros para movimentar todo um aparato de máquinas na agricultura, na indústria e mesmo na administração pública. Por isso, é importante compreendermos que não pode haver boa produção se não houver quadros técnicos e não pode haver bons técnicos se não houver trabalhadores que saibam ler e escrever”, referiu, acrescentando que “para a­prender melhor a técnica é preciso saber ler”.
A profissão de professor é das mais antigas e desempenha um papel importante na sociedade. O Executivo tem obtido bons resultados com as reformas introduzidas no nosso sistema educativo, sobretudo no ensino primário, com destaque para a abolição das taxas de matrícula, a introdução da Merenda Escolar, de novos currículos e a construção de mais salas de aulas que ajudaram a absorver milhares de crianças que se encontravam fora do sistema normal de ensino, disse o governante.
O Governo Provincial desenvolve esforços no sentido de combater o analfabetismo herdado do colonialismo português. O vice-governador Carlos Samba defendeu a elevação da qualidade do ensino no país através da realização de várias acções de formação, além da introdução de métodos mais adequados para maior responsabilização dos professores.

Combate ao analfabetismo


Os professores têm uma grande responsabilidade para com a sociedade, afirmou Carlos Samba, denunciando a fuga de muitos docentes dos locais de trabalho.
“Muitos professores foram admitidos para darem os seus préstimos em zonas distanciadas das sedes municipais e comunais, mas alguns regressam para a cidade com argumentos de continuarem os seus estudos, enquanto outros apresentam motivos de saúde, deixando os alunos sem aulas, e mesmo assim recebem regularmente os seus ordenado mensais”, denunciou o vice-governador.
O dia 22 de Novembro é um dia em que se deve recordar a promoção da actividade que visa melhorar o bem-estar e a condição dos angolanos, a promoção da Educação, Ciência, Tecnologia e da Cultura. “Hoje já não temos o número de analfabetos que tínhamos no passado, porque todos têm o direito de aprender”, concluiu.

Tempo

Multimédia