Províncias

Escola de Professores em ampliação

Joaquim Júnior| Uíge

Um edifício com 12 salas, áreas administrativas e lavabos está a ser erguido no recinto da Escola de Formação de Professores Cor Mariae informou a directora-geral da instituição, irmã Adelina Afonso.

A edificação das salas é suportada com fundos do Gabinete de Planificação e Estatística do Governo Provincial do Uíge e surge da necessidade de combater a superlotação nas salas
Fotografia: Eunice Suzana| Uíge

A religiosa afirmou que a construção das salas, com fim previsto para Janeiro do próximo ano, visa proporcionar uma melhor acomodação dos alunos matriculados do ensino primário ao segundo ciclo do ensino secundário.
A edificação das salas é suportada com fundos do Gabinete de Planificação e Estatística do Governo Provincial do Uíge e surge da necessidade de combater a superlotação nas salas, sobretudo no ensino primário, em cumprimento às exigências da reforma educativa, que impõe um limite máximo de 45 alunos por turma.
A madre da Igreja Católica disse que actualmente a escola tem o dobro dos alunos por sala, quadro que a instituição pretende inverter.
A Escola de Formação de Professores, instituição da Igreja Católica, tem3.600 alunos do ensino primário ao segundo ciclo do ensino secundário, em 26 salas. Em função desta limitação, a instituição junta entre 80 e 120 alunos em cada turma. A directora acrescentou que as condições não são boas. Neste momento, a necessidade para cobrir o número de alunos matriculados é de mais 24 salas, mas as 12 em construção vão ajudar a desafogar as turmas, referiu a directora da escola.
A madre Adelina Afonso informou que, depois da conclusão das obras, a aposta vai recair na construção de um ginásio com campo multiusos, para facilitar a prática de diversas modalidades desportivas e outras actividades extra-escolares.
A directora explicou que o bloco, que funcionava como internato dos alunos, não está a ser utilizado devido aos elevados níveis de degradação. Adelina Afonso salienta que a restauração daquela área pode resultar em 14 novas salas, o que desafoga as turmas do primeiro e segundo ciclos.
“Quando há calor intenso, as salas ficam abafadas e os alunos são dispensados para apanharem um pouco de ar livre, mas quando chove a situação é mais complicada ainda, uma vez que os tectos das salas apresentam algumas roturas”, lamenta.
A Escola de Formação de Professores Cor Mariae funciona com 120 professores efectivos que leccionam nos cursos de Magistério Primário, Matemática, Física, Biologia e Química, Inglês, Francês, Educação Moral e Cívica e Língua Portuguesa.

Tempo

Multimédia