Províncias

Estudantes apresentam projectos de arquitectura

António Capitão | Uíge

Estudantes do curso de Arquitectura no Instituto Médio Politécnico do Uíge (IMPU) “Manuel Quarta Punza” apresentaram domingo, durante um evento que serviu de antecâmara à IV edição da Feira do Inventor-Criador Angolano (Feica), dois projectos com características inovadoras quanto ao desenho arquitectónico, gestão de espaço,

Jovens criadores apresentaram no Uíge o que aprenderam durante as aulas práticas
Fotografia: António Capitão

sistemas de recolha e tratamento de resíduos sólidos e prevenção ambiental.
O evento decorreu no átrio da instituição e contou com a participação de mais de 20 expositores. O primeiro grupo, composto por três estudantes formados no IMPU, apresentou a maquete de uma nova urbanização para o município do Uíge, que denominou “Centralidade Nova Carmona”, para ser construída numa área com cerca de 8.000 metros quadrados, a três quilómetros da cidade do Uíge, nas proximidades do rio Cankungu, via Uíge-Mucaba.
O coordenador do grupo, Faria José, explicou ao Jornal de Angola que a urbanização projectada contempla a construção de moradias do tipo T2, T3 e T4, bem como edifícios de três, quatro, sete e dez andares, uma torre com 60,8 metros de altura e 19 andares onde devem funcionar os serviços administrativos, zonas verdes, arruamentos, espaços de recreação e lazer, estádio com capacidade para 2.500 espectadores, rede de iluminação pública e domiciliária, que vai depender da subestação do Uíge, que recebe energia a partir da barragem hidroeléctrica de Capanda, em Malanje.
Constam ainda do projecto um sistema de captação por gravidade, a partir do rio Cankungu, para alimentar o sistema de distribuição de água potável à cidade, uma subestação eléctrica com dois postos de transformação (PT) de 1.000 megawatts cada e um edifício unificado para organismos policiais. As principais inovações neste projecto de arquitectura são o método de deposição, recolha e tratamento de resíduos sólidos e a preservação ambiental.
Foi projectada uma conduta com um tapete rolante numa das ruas da centralidade, onde os moradores depositam o lixo, abrindo os tampos das sarjetas. Os resíduos sólidos são transportados para uma central de recolha, depósito e tratamento, sem ter que se colocar contentores para depósito nas ruas ou usar-se camiões, tractores e homens para recolher e transportar a sujeira.
“Fomos todos formados neste instituto e, agora, estamos melhor capacitados para contribuirmos para o processo de reconstrução nacional e construção de cidades modernas que garantam melhores condições de vida à população” , disse Faria José, que afirma ter criado uma empresa, Projectacc (Projectos Técnicos de Arquitectura e Construção Civil), disponível para prestar serviços no mercado.
Para a protecção ambiental, os jovens arquitectos projectaram parte das coberturas dos edifícios com lajes ecológicas, relva e  plantas naturais, com uma cor proporcional a uma visão esverdeada, para manter um ambiente mais saudável para o sistema respiratório.
O outro grupo de estudantes apresentou a maquete de um complexo turístico, que denominou “Resort Jorge António”, em memória ao antigo director do instituto, falecido há dois anos. O projecto contempla um hotel de cinco estrelas com três andares, com paredes exteriores giratórias, isto no terceiro andar, o que permite aos observadores conhecerem o desenho dessa parte do edifício sem necessidade de se movimentarem. Segundo o representante do grupo de estudantes, Luduvine Emanuel, constam ainda do projecto uma residência do tipo T2, quadra polidesportiva, piscina, parque de estacionamento e um campo de golfe. O ambiente verde do complexo turístico é rasgado por um rio que proporciona um aspecto adequado ao espaço destinado à prática da modalidade de golfe.

Biblioteca virtual

O estudante Gabriel António, da 12ª classe do curso de Informática do Instituto Politécnico “Manuel Quarta Punza”, criou uma biblioteca virtual, onde constam já alguns conteúdos para pesquisa no ramo da informática. Durante a exposição, o jovem explicou aos feirantes que a plataforma tem quatro subdivisões, nomeadamente a página inicial onde os usuários podem obter informações sobre a instituição,  como pesquisar no portal e suas vantagens. Na divisão de livros, os utentes têm acesso a manuais, documentos e a outras publicações sobre as suas áreas de formação; numa outra, estão descriminados os cursos ministrados na instituição, planos programáticos, planos curriculares e outras informações e na galeria estão variadíssimas ilustrações por vídeos e fotografias das actividades decorrentes da escola.
Gabriel António explicou que para se ter acesso à biblioteca virtual do Instituto Médio Politécnico “Manuel Quarta Punza” basta ao estudante ter acesso à internet e aceder ao sitewww.escolabibliotecavirtual.imp., passando a usufruir de todas as vantagens académicas nela contidas.
Ainda no ramo das tecnologias, a empresa Aptec apresentou programas informáticos sobre sistemas comerciais, projectos de arquitectura e de tecnologia infantil, treinamento remoto e sistemas multimédia educativos. Um outro expositor independente procedeu ao lançamento da plataforma “jogo da cultura angolana”, com duas componentes, sendo a primeira com conteúdos didáctico-pedagógicos sobre a história, cultura e tradição dos povos de Angola e a segunda onde o utilizador testa os seus conhecimentos através do jogo de perguntas e respostas. Foram ainda expostas várias criações de artesanato, estudos químicos aprofundados sobre o acetileno, projectos de electricidade e de  construção civil.

Tempo

Multimédia