Províncias

Feira de gastronomia no Uíge impulsiona sector do turismo

Nicodemos Paulo | Uíge

Uma Feira Gastronómica, que tem como objectivo divulgar e promover a gastronomia local e impulsionar o turismo na província do Uíge, vai ser organizada pela Direcção Provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, no próximo dia 1, em saudação ao 27 de Setembro, Dia Internacional do Turismo, informou ontem o responsável do sector.

Gastronomia no Uíge
Fotografia: Jaimagens

Bosseke Mboso Mansony, que anunciou a realização do evento durante uma reunião com os agentes hoteleiros e operadores do sector turístico na província, disse que o objectivo é mostrar as variedades gastronómicas da região, para suscitar o interesse dos possíveis investidores.
A feira vai contar com a representação dos 16 municípios que compõem a província e estará aberta aos expositores singulares e empresários, cuja actividade está ligada ao ramo hoteleiro. O local escolhido para exposição e venda é o Largo da Administração Municipal do Uíge, com capacidade para acolher mais de 100 expositores.
“Esperamos que os nossos agentes hoteleiros e empresários acolham a iniciativa, pois esta será uma boa oportunidade para divulgar a qualidade da gastronomia local e atrair os visitantes à província, através das nossas iguarias”, referiu o director.
Para incentivar a participação dos empresários do ramo hoteleiro e proprietários de restaurantes, a Direcção Provincial do Turismo e Hotelaria definiu algumas categorias à serem premiadas durante o evento, tais como “o melhor balcão”, “melhor prato típico” e “originalidade na confecção”, entre outras.
O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, Bosseke Mansony, avançou que, no âmbito das comemorações do Dia Internacional do Turismo, são realizadas visitas a locais históricos , nos municípios do Uíge, Negage e Ambuíla, além de serem realizados debates radiofónicos sobre o assunto.
O gestor hoteleiro Rui Manuel Rei aponta a formação de quadros como a grande mola impulsionadora da indústria turística. “A província dispõe de um grande potencial turístico, porém o Governo precisa trabalhar mais na formação de quadros para o sector, porque não bastam vontades é preciso que as pessoas sejam capazes de transformar uma gruta num local de interesse económico. É verdade que será necessário dinheiro, mas antes disso estará a capacidade criadora”, disse Rui Rei, para quem, apesar de a rede hoteleira da província do Uíge crescer muito nos últimos anos, a região ainda não regista o desejado movimento turístico, devido à falta de atractivos.

Tempo

Multimédia