Províncias

Fornecimento de água e luz preocupa governo do Uíge

António Capitão | Uíge

O governador do Uíge, Paulo Pombolo, alertou os empreiteiros encarregues pela construção de chafarizes na periferia da cidade capital da província no sentido de envidarem esforços para concluírem as respectivas obras, o mais rápido possível.

Governador avaliou obras em curso
Fotografia: Jornal de Angola

O governador do Uíge, Paulo Pombolo, alertou os empreiteiros encarregues pela construção de chafarizes na periferia da cidade capital da província no sentido de envidarem esforços para concluírem as respectivas obras, o mais rápido possível.
“Pelos prazos acordados no contrato da empreitada, estas obras estão atrasadas e não alegra a população que todos os dias passa pelas várias artérias do bairro e se depara com chafarizes, que das torneiras destes nunca jorre água”, disse o governador.
Paulo Pombolo fez este alerta na sexta-feira, na sequência de uma visita de campo ao bairro Candombe Novo, onde se inteirou das obras de construção de chafarizes e do alargamento da rede de energia eléctrica, proveniente da barragem hidroeléctrica de Capanda.
A visita de Paulo Pombolo abrangeu também os sectores da Educação e Saúde. No centro médico, o governador saiu satisfeito do local, tendo em conta a eficiência do seu funcionamento e a qualidade dos equipamentos instalados na referida unidade sanitária. />Quanto ao sector da Educação, Paulo Pombolo constatou que mais de 1.900 alunos estudam em salas improvisadas na Igreja Kimbanguista, sem carteiras, quadros e merenda escolar.
Depois de ouvir as preocupações do sector da Educação e da Saúde, no bairro Candombe Novo, garantiu que a população local vai conhecer dias melhores. “Vamos solicitar à Igreja que nos conceda uma parte do terreno que ainda tem disponível, para podermos construir algumas salas de aulas para as crianças poderem estudar condignamente”, reforçou, assegurando o enquadramento, no próximo ano lectivo, dos referidos alunos no Programa de Distribuição da Merenda Escolar.
O governador visitou também um complexo escolar com 12 salas, cujas obras se encontram paralisadas há cerca de um ano, porque o empreiteiro alega falta de dinheiro para a sua conclusão. No local, o governante deu ordens à administração municipal do Uíge no sentido de incluir o orçamento desta infra-estrutura no Programa de Intervenção Municipal.

Tempo

Multimédia