Províncias

Fraco aproveitamento é analisado no Uíge

Valter Gomes | Uíge

O Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) do Uíge realiza, desde sexta-feira até 20 deste mês, um diagnóstico científico nos 16 municípios da província, para identificar os principais problemas que afectam a qualidade do ensino na região.

Durante o encontro os técnicos vão procurar identificar os principais problemas que o sector da Educação enfrenta na província do Uíge
Fotografia: Mavitidi Mulaza|Uíge

Falando no acto de abertura do programa de actividades extracurriculares da instituição, no município de Negage, o director-geral em exercício do ISCED do Uíge, Penado António Alberto, explicou que a actividade visa  melhorar o sistema do ensino do Uíge.
Penado Alberto afirmou que o ISCED está preocupado com a qualidade do ensino, dai pretender contribuir para a melhoria funcional do sector, através de acções como o diagnóstico que decorre agora.
“Promovemos esta actividade para irmos mais ao fundo da realidade dos factores que estão na base das dificuldades existentes em algumas escolas da província e dos factores que influenciam no fraco aproveitamento escolar das crianças”, disse o responsável.
Durante o encontro, os técnicos vão procurar identificar os principais problemas que o sector da educação enfrenta, em termos de meios da educação, infra-estruturas, materiais didácticos, constrangimentos no processo do ensino e aprendizagem, níveis de formação dos professores, pontualidade dos docentes, entre outros. Para tal, Penado Alberto explicou que, nesta primeira fase, as equipas criadas para o efeito já trabalham nos municípios de Negage, Bungo, Puri, Mucaba, Quitexe e Uíge.
Estes técnicos vão distribuir questionários onde constam perguntas e espaços livres que os directores das escolas e professores podem preencher, para no fim a direcção do ISCED analisar os grandes problemas existentes e canalizar para as autoridades da educação.

Novos cursos

Para responder ao problema da qualidade de ensino, o ISCED do Uíge abriu, este ano, três novas licenciaturas nas especialidades de Ensino Primário, Educadores de Infância e Ensino Especial. Cada uma das áreas funciona com 90 estudantes matriculados.
O director-geral em exercício do ISCED do Uíge afirmou que o objectivo é dar resposta e ênfase à meta preconizada sobre a qualidade do ensino na região, uma vez que os professores que concluírem os cursos estão preparados para formar as crianças no ensino primário.
Ainda este ano, acrescentou o director-geral em exercício , o ISCED criou também mestrados em Ciências da Educação, formação que está inserida no pacote que visa dar solução aos problemas que o sector do ensino enfrenta na província do Uíge. O director da repartição municipal da Educação de Negage, Afonso Kianguila, realçou que o sector enfrenta algumas dificuldades que se prendem com a insuficiência de salas de aulas, sobretudo no ensino primário, de professores e de residências para alojar os professores. Afonso Kianguila afirmou que o município necessita de pelo menos 877 novas salas e 300 professores, tendo apontado a sede do município, as comunas de Quisseque e Dimuca, bem como as aldeias de Cazolo, Bombo e Zanda, como as localidades que necessitam de maior reforço, em termos de salas de aulas e docentes. O município de Negage conta com 54 escolas primárias, seis do I ciclo, duas do II ciclo do ensino secundário, uma do ensino técnico especial e um instituto médio.Para o presente ano foram matriculados 43.690 alunos da iniciação a 12.ª classe. As aulas são asseguradas por 1.232 professores.

Tempo

Multimédia