Províncias

Funcionárias devem ter deontologia profissional

Joaquim Júnior|Uíge

A directora provincial da Família e Promoção da Mulher no Uíge recomendou às funcionárias de instituições públicas e privadas para respeitarem a ética e deontologia profissionais.

Mulheres reconhecem que ainda enfrentam algumas barreiras que têm de ser ultrapassadas
Fotografia: Joaquim Júnior|Uíge

Catarina Domingos, que falava num encontro que juntou mais de 300 pessoas, apelou a uma boa conduta no local de trabalho e sublinhou que as mulheres devem contribuir com profissionalismo, saber, afinco e respeito, para acompanhar a dinâmica e evolução do país. Uma das questões mais debatidas no encontro foi a capacidade de equacionar o trabalho e a valorização da família. Madalena Tama, funcionária pública, disse que a mulher, além da profissão e da sua posição social, deve saber cuidar da sua casa e dos filhos, para cruzar o desenvolvimento do país com o bem-estar das famílias.
Maria de Fátima, jornalista da Televisão Pública de Angola (TPA), reconheceu que a mulher ainda enfrenta algumas barreiras que têm de ser ultrapassadas, notando que, muitas vezes, os homens rejeitam as colegas de trabalho por as considerarem incapazes de realizar determinado tipo de tarefa.
“Mas a nossa determinação e capacidade de resistência podem ajudar-nos a ter esperança de um dia caminharmos com mais dignidade, justiça e paz”, alertou.

Tempo

Multimédia