Províncias

Gestores públicos recebem treino no uso de técnicas da informação

António Capitão e Nicodemos Paulo | Uíge

Os responsáveis de recursos humanos das instituições públicas no Uíge estão a ser capacitados desde ontem, pela direcção provincial da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (APESS), sobre procedimentos para o uso das novas tecnologias de informação.

Os responsáveis de recursos humanos das instituições públicas no Uíge estão a ser capacitados desde ontem, pela direcção provincial da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (APESS), sobre procedimentos para o uso das novas tecnologias de informação.
Segundo o director provincial da APESS, Afonso Bambi, a formação, que tem a duração de dois dias, enquadra-se no programa da reforma administrativa em curso no país e visa habilitar os gestores públicos ao uso de tecnologias que permitem melhorar e modernizar os serviços prestados às populações.
“As tecnologias de informação estão em constante evolução, com o surgimento de novos equipamentos e serviços tecnológicos, por isso decidimos capacitar os nossos gestores para que a administração pública esteja adaptada às tecnologias modernas e se torne mais dinâmica, acompanhando deste modo o dinamismo das sociedades”, referiu.
Os mais de quarenta gestores de recursos humanos das instituições públicas abordaram sobre as tecnologias de comunicação e disciplina laboral. Conhecimentos transmitidos por técnicos da UNITEL, MOVICEL e Angola Telecom.
“Para uma melhor percepção sobre as matéria a serem ministradas, convidamos técnicos das duas operadoras de telefonia móvel e da Angola Telecom que são as principais utilizadoras das tecnologias de comunicação mais modernas”, disse.

Lei da Probidade Pública

Os directores provinciais dos organismos públicos foram esclarecidos ontem, durante uma palestra promovida pelo secretariado provincial da JMPLA, sobre a Lei da Probidade Pública e Administrativa que visa corrigir e melhorar o trabalho dos servidores públicos.
A palestra, enquadrada nas comemorações do 68º aniversário natalício do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, orientada pelo deputado Panzo Joaquim, visou incutir nos administradores públicos o compromisso moral e social na gestão dos recursos públicos.
“O Estado e a sociedade encontram nesta lei um instrumento para o controlo dos gestores, exigindo deles moralidade e compromisso social pela gestão dos recursos públicos”, disse, prosseguindo que “o servidor público deve pautar pela observância dos valores de boa gestão, respeito e observância da lei, dever e obrigação de defender a coisa pública durante o exercício das suas funções, abandonar a prática de expropriação”.
Panzo Joaquim referiu que, com a Lei da Probidade Pública, o executivo angolano pretende actualizar e assegurar a integridade dos gestores públicos político, sociais e económicos face aos compromissos que o Estado tem relativamente ao desenvolvimento do país.

Tempo

Multimédia