Províncias

Governador critica os empreiteiros pela demora nas obras do hospital

ANTÓNIO CAPITÃO | Uíge

O governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, criticou os empreiteiros encarregados das obras do Hospital Geral pela demora que se regista e orientou a direcção provincial da Saúde e do Urbanismo e Construção a desenvolverem acções de acompanhamento e fiscalização, com vista a serem cumpridos os prazos contratuais.

Tiveram de ser adaptadas outras infra-estruturas no hospital para a instalação dos serviços de maternidade e gabinetes administrativos
Fotografia: Jornal de Angola

O governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, criticou os empreiteiros encarregados das obras do Hospital Geral pela demora que se regista e orientou a direcção provincial da Saúde e do Urbanismo e Construção a desenvolverem acções de acompanhamento e fiscalização, com vista a serem cumpridos os prazos contratuais.
O atraso das obras está a criar sérios constrangimentos no normal funcionamento do hospital. “Tiveram de ser adaptadas outras infra-estruturas para a instalação dos serviços de maternidade, ortopedia, hemoterapia e os gabinetes administrativos. A reabilitação do hospital vai permitir melhorar as condições de trabalho dos funcionários e a acomodação dos doentes”, disse Paulo Pombolo.
No âmbito da melhoria dos serviços de saúde na região, estão a ser requalificados os edifícios que albergam os serviços de maternidade, ortopedia, hemoterapia e os gabinetes administrativos.
Paulo Pombolo visitou no bairro Candombe Velho as obras de construção do hospital municipal, cujos trabalhos estão na recta final.
 O governador do Uíge disse que com a entrada em funcionamento daquela unidade hospitalar, as populações do Candombe Novo, Bem-vindo, Mongualhema, Mbanza Polo, Quimacungo, Tomessa, Capote, Pedreira, Cacole e outros vão passar a ter assistência sanitária próximo de casa.

Acesso à Kimpa Vita


No Quilevo, a cerca de seis quilómetros do Uíge, foi construído o edifício da Universidade Kimpa Vita. A referida infra-estrutura comporta mais de 30 salas, anfiteatros, laboratórios, gabinetes, refeitório, quadras polidesportivas e outras dependências. O edifício vai acolher no próximo ano os cursos de Contabilidade e Gestão, Engenharia Informática, Enfermagem e Agronomia, da Escola Superior Politécnica do Uíge (ESPU) e a Faculdade de Direito.
 O acesso ao local continua a ser uma das preocupações do governado provincial do Uíge.
Paulo Pombolo deslocou-se ao local para ver como decorrem as obras na estrada que dá acesso àquela instituição de ensino superior. Foi colocado o tapete asfáltico em toda a extensão e aguarda-se a finalização dos trabalhos. O governante defendeu a aplicação de matérias capazes de resistir às condições climatéricas da região.
“É necessário que o projecto inclua a construção de valas de drenagem nas bermas e a colocação de camadas de betão para travar as águas pluviais, visto que nesta região a chuva cai com muita intensidade e com frequência”, referiu.

Tempo

Multimédia