Províncias

Governo cria condições para aumento da produção

José Bula | Uíge

Um programa denominado “Pro­jecto de Reflexão com as Comunidades da Província” está a ser desenvolvido pelo Governo Provincial do Uíge. Na semana passada, as populações da antiga regedoria Amílcar Cabral, actual Dambi, no município do Uíge, testemunharam, no Largo dos Massacres, o lançamento do referido projecto, coordenado pelo governador provincial, Paulo Pombolo.

Governador provincial visitou a localidade para se inteirar dos principais problemas
Fotografia: José Bule|Uíge

Um programa denominado “Pro­jecto de Reflexão com as Comunidades da Província” está a ser desenvolvido pelo Governo Provincial do Uíge. Na semana passada, as populações da antiga regedoria Amílcar Cabral, actual Dambi, no município do Uíge, testemunharam, no Largo dos Massacres, o lançamento do referido projecto, coordenado pelo governador provincial, Paulo Pombolo.
Na ocasião, o regedor João Bondo, solicitou maior intervenção do Governo Provincial e da Administração Municipal do Uíge na resolução dos vários problemas que afectam as populações locais.
João Bondo defendeu que a localidade deve ser elevada à categoria de comuna, tendo em conta a sua extensão territorial e o número de aldeias e bairros.
“Gostaríamos que o governo da província e a administração municipal do Uíge direccionassem alguns projectos, através do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, que permitissem a reabilitação da estrada que dá acesso à nossa regedoria, a aquisição de equipamentos para a reparação do descasque de café para o fomento da comercialização deste produto, de tractores para a realização de uma agricultura mecanizada e a construção de mais chafarizes para alargar a rede de distribuição de água potável”, disse o regedor.
João Bondo referiu que a falta de salas de alfabetização, de médicos e de enfermeiros, além da necessidade de apetrechamento do centro de saúde local, constituem algumas das dificuldades que a população do Dambi enfrenta.
O regedor solicitou também a criação de uma loja de proximidade na localidade e referiu que a região pode ser considerada como um potencial centro económico da província, tendo em conta os recursos naturais existentes.

Objectivos do projecto

O governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, esclareceu que o Projecto de Reflexão com as Comunidades da Província do Uíge visa, fundamentalmente, permitir uma maior aproximação das autoridades governamentais da província com as populações, “para sabermos quais são as suas preocupações e problemas, para que o Governo e as administrações municipais encontrem soluções”.
“O principal objectivo deste projecto é avaliar ‘in loco’ as condições de vida das populações que residem nas comunidades, constatarmos o grau de implementação de alguns projectos e definirmos outros que possam contribuir para a melhoria dos serviços de saúde, educação e fornecimento de energia e água potável”, sublinhou.

Vias de acesso

O troço que liga a cidade do Uíge à regedoria do Dambi,  cerca de 30 quilómetros, está intransitável.
Os automobilistas usam a via Uíge/Negage, a 37 quilómetros, para depois enfrentarem mais 14 quilómetros de um troço bastante degradado, para atingirem a regedoria do Dambi.
O governador Paulo Pombolo disse que o Governo e a Administração Municipal vão identificar qual das duas vias apresenta melhores condições para ser reparada e permitir que os agricultores da região possam escoar os seus produtos com menores dificuldades. “Vamos financiar a terraplanagem da via e pedir ao empreiteiro para colocar um produto que permita dar maior consistência aos solos, para que a estrada possa resistir às chuvas e a outros factores capazes de danificá-la em pouco tempo”, disse o governador.
Paulo Pombolo esclareceu as populações do Dambi que, quando o governo não dispõe de fundos suficientes para asfaltar estradas, recorre à terraplanagem, “mas a execução do trabalho deve ser de qualidade, que não nos obrigue a voltar a intervir em tão pouco tempo”.
“Temos o exemplo do trabalho de terraplanagem feito na estrada que liga o município do Songo ao Bembe, onde foi colocada uma substância chamada ‘Latrite’, que tem permitido a circulação de pessoas e bens em perfeitas condições de segurança, há três anos”, afirmou o governador.

Revitalização do café

O governador do Uíge lembrou que, no passado, a província produziu e comercializou grandes quantidades de café, que permitiu a construção de muitas cidades e vilas. Paulo Pombolo aposta na aquisição de mais tractores para serem distribuídos às administrações municipais, a fim de lavrarem as terras das cooperativas.
“Se hoje temos um descasque de café inoperante é porque não queremos o desenvolvimento da região do Dambi e da própria província, porque com o café foi possível construir cidades e vilas, e os bairros de Alvalade e da Vila Alice, em Luanda. Por isso, a reparação do descasque vai merecer a nossa intervenção, por sabermos que representa uma das preocupações da população do Dambi”, referiu.

Falta de médicos

Sobre a carência de médicos e enfermeiros, Paulo Pombolo disse que o governo está a analisar a possibilidade de fazer deslocar, periodicamente, alguns médicos para estas localidades. 
 “Também no projecto do governo da província, que visa criar mercados comunitários e lojas de proximidade, vamos potenciar um comerciante local, para criar um espaço onde a população pode adquirir bens de primeira necessidade”, concluiu o governador. Na aldeia Pic, regedoria do Dambi, o governador provincial inaugurou um posto de saúde com duas salas para tratamento médico, sala de espera, farmácia, consultório médico e casa de banho.

Novas infra-estruturas

No final da visita, Paulo Pombolo entregou à direcção da regedoria bens alimentares, roupa usada, chapas de zinco, mochilas e batas escolares, material didáctico e artigos desportivos, calçado e máquinas de costura, para serem distribuídos à população do Dambi.
O governador do Uíge garantiu que na regedoria do Dambi, tal como em outros pontos da província, vão ser reabilitadas e construídas várias infra-estruturas, no âmbito do programa de melhoria e aumento da oferta de bens e serviços sociais básicos à população. 
A regedoria do Dambi possui uma extensão territorial de 120 quilómetros quadrados e uma população estimada em 13.400 habitantes, maioritariamente camponeses. O café, a mandioca, milho, banana, feijão, amendoim e hortícolas são os produtos mais cultivados localmente.

Tempo

Multimédia