Províncias

Governo do Uíge aposta na construção de novos sistemas de captação de água

Valter Gomes | Uíge

O governador provincial do Uíge manifestou preocupação com a falta de água potável e energia eléctrica em muitas localidades da província, durante a visita que efectuou ao bairro do Cemitério, periferia da cidade do Uíge.

População dos bairros periféricos deixa de recorrer aos rios e cacimbas
Fotografia: Jornal de Angola

O governador provincial do Uíge manifestou preocupação com a falta de água potável e energia eléctrica em muitas localidades da província, durante a visita que efectuou ao bairro do Cemitério, periferia da cidade do Uíge.
Paulo Pombolo reconheceu que é necessário e urgente alargar o processo de distribuição de água potável e fornecimento de energia eléctrica às populações residentes nos municípios e comunas, nos bairros, regedorias e aldeias da província do Uíge.
O governador referiu que o Governo Provincial está a trabalhar na solução dos vários problemas que afectam a população. Paulo Pombolo disse que a construção de sistemas de distribuição de água potável e de fornecimento de energia eléctrica em toda a província é uma das principais apostas do governo, com vista à melhoria das condições de vida das populações locais. 
“O Governo Provincial e o Executivo não podem fazer tudo de um só vez, temos de resolver os problemas de forma gradual e com base nos recursos financeiros disponíveis, espírito de unidade e de progresso”, disse Paulo Pombolo. 
Depois de ter percorrido diversas ruas do bairro do Cemitério, Paulo Pombolo constatou que há necessidade urgente de instalar postes de iluminação pública, tendo em conta que no período nocturno o bairro é percorrido por centenas de alunos, professores, funcionários públicos e outros habitantes.
O governador disse que as obras de instalação de postes de iluminação pública começam este mês. Durante a sua permanência no bairro do cemitério, o governador teve um encontro com as autoridades tradicionais, às quais recomendou mais colaboração com a população.
Paulo Pombolo pediu aos sobas para indicarem um espaço onde deve ser construída uma escola com 24 salas, que, além de proporcionar melhores condições de trabalho aos professores permite integrar no sistema de ensino mais crianças residentes no bairro, e impede que sejam obrigadas a percorrerem grandes distâncias para frequentar a escola. 
Para dar resposta urgente à carência de água potável no bairro, o governador informou que a Direcção Provincial de Energia e Águas efectua, este mês, o levantamento das necessidades em chafarizes e lavandarias no bairro do Cemitério.
Durante o encontro, as autoridades tradicionais pediram ao Governo Provincial para mandar fazer obras de terraplanagem e melhoria das ruas do bairro, por estarem degradadas.
Os sobas manifestaram também a necessidade de uma maior intervenção da Administração Municipal no processo de urbanização do bairro, evitando a construção desordenada da população e melhorar a circulação de veículos automóveis.  O bairro do Cemitério foi fundado em 1930, pelo capitão Rosa Manuel Vasco. Dividido em seis zonas, tem uma população de 7.369 habitantes, maioritariamente agricultores.

Tempo

Multimédia